PUBLICIDADE

Esporte


UPF entre as quatro melhores equipes da Competição Baja SAE Brasil

Publicada em: 20/11/2017 - 15:00

Atividades da etapa sul foram realizadas de 17 a 19 de novembro no Campus I da UPF

UPF entre as quatro melhores equipes da Competição Baja SAE Brasil

Alunos de engenharia participaram da competição

Crédito: Divulgação

Durante três dias, a Universidade de Passo Fundo (UPF) reuniu cerca de 400 alunos dos cursos de Engenharia de instituições do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná para a 15ª competição Baja SAE Brasil – Etapa Sul. Realizada pelo segundo ano consecutivo na UPF, a atividade contou com a participação de 22 equipes inscritas. Os veículos passaram por avaliações estáticas e dinâmicas, com destaque para o enduro de resistência, no qual os veículos completam voltas em uma pista irregular com obstáculos por três horas. A Equipe Mas Baja Tchê, que representa a UPF, conquistou o quarto lugar na classificação geral.

A competição foi realizada na pista localizada nas proximidades do Centro de Eventos, Campus I. Na sexta-feira (17), foram feitas as provas de inspeções estáticas de segurança (avaliação de segurança e prova de motor) e inspeção dinâmica de segurança (prova de conforto – dirigibilidade e frenagem). A avaliação foi realizada por juízes, engenheiros da indústria automotiva. No sábado (18), aconteceram as apresentações orais dos projetos e avaliações dinâmicas (prova de aceleração e velocidade máxima, manobrabilidade, tração e suspensão e tração). Já o enduro de resistência foi realizado no domingo (19).

No enduro, os veículos completaram voltas na pista de terreno irregular, off-road, com obstáculos. A prova teve duração de três horas e 17 veículos participaram dessa etapa. A atividade contou com a presença de um grande público. Também acompanharam a prova, o vice-reitor Administrativo Agenor Dias de Meira Junior, a vice-reitora de Graduação Rosani Sgari e o diretor da Faculdade de Engenharia e Arquitetura (Fear) Vagner Alves Guimarães.

Meira Junior ressaltou a importância da competição. “É um desafio lançado aos estudantes de Engenharia que possibilita aplicar na prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula, preparando também para o mercado de trabalho. Para nós, UPF, é uma satisfação sediar, pelo segundo ano consecutivo, a competição. Todos os professores e alunos, que vieram de outras cidades e estados, estão surpresos com a estrutura do campus”, frisa o vice-reitor.

A Udesc (SC) conquistou o primeiro lugar e a segunda colocação foi conquistada pela equipe da UFSC (SC). A Unisc (RS) conquistou o terceiro lugar e a UPF (RS)  ficou em quarto lugar.

A equipe Mas Baja Tchê da UPF obteve o quarto lugar geral dentre as 22 equipes participantes, subindo uma posição em relação à edição de 2016, ficando com pontuação final muito próxima à pontuação da equipe terceira colocada.

Os professores da Fear Márcio Walber e Lucas Zavistanovicz, que orientam os alunos da equipe Mas Baja Tchê da UPF, ressaltam que, na prova de enduro, que é considerada a prova mais difícil do evento, onde os veículos são submetidos à prova em um enduro de três horas de duração, a equipe da UPF conquistou a terceira colocação geral, completando 41 voltas em três horas, duas voltas a menos que a equipe vencedora desta prova, carro desenvolvido pela Faculdade SATC, de Santa Catarina. “O resultado pode ser considerado muito satisfatório e deve ser comemorado, tendo em vista o alto grau de dificuldade empregado pelos juízes avaliadores e também o alto grau de dificuldade da pista de corrida, desenvolvida pela UPF em conjunto com a SAE. Tão difícil eram os obstáculos a serem vencidos na pista de corrida que, em uma das provas de avaliação dinâmica – a prova de suspensão e tração –, nenhum veículo conseguiu completar a prova. Toda essa experiência obtida com a participação no evento será útil para a preparação da equipe para a competição nacional, que ocorrerá no mês de março de 2018 em São José dos Campos/SP. Além disso, o conhecimento ampara a formação profissional dos alunos, sendo o aprendizado deles o maior objetivo. Estamos no caminho para obter um melhor resultado na competição nacional”, frisam.

Na opinião do professor Walber, também deve ser ressaltada a excelente infraestrutura disponibilizada pela UPF para realização do evento, que ocorreu pelo segundo ano consecutivo na instituição e está se consolidando na Universidade. “Destacam-se a estrutura do Portal das Linguagens, que permitiu a realização, em um parque fechado, das avaliações de segurança estática e das apresentações de projeto, e a pista disponibilizada, considerada pelos organizadores uma das melhores pistas do país para realização de eventos Baja”, aponta.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



PUBLICIDADE