PUBLICIDADE

Cidade


Passo Fundo se mantém entre as 100 melhores cidades para fazer negócios

Publicada em: 11/01/2019 - 07:00, por Larissa Paludo

Município caiu no ranking das 100, ocupando a 42ª posição no país e ficou na 5ª posição no Estado, segundo pesquisa da UrbanSystems

Passo Fundo se mantém entre as 100 melhores cidades para fazer negócios

Cerimônia de inauguração do Passo Fundo Shopping, na noite de 7 de novembro

Crédito: Divulgação Passo Fundo Shopping

Passo Fundo se mantém entre as 100 melhores cidades brasileiras para se fazer negócio, no entanto, perdeu 12 posições de um ano para outro. Em 2017, o município ocupava a 30ª posição no indicador, ficando na 42ª em 2018. No Índice de Qualidade Mercadológica (IQM), metodologia que define a classificação dos municípios, Passo Fundo ficou com média11,533. A cidade de Vitória (ES) ficou em primeiro lugar na tabela, com IQM 13,804. A pesquisa é realizada anualmente pela Urban Systems a pedido da Revista Exame, que divulga os dados em primeira mão.O estudo, focado em regiões do país com maior oportunidade de crescimento, avalia as cidades a partir de quatro temas: desenvolvimento econômico, capital humano, desenvolvimento social e infraestrutura. Cada área possui uma média, ou IQM.


No Estado, Passo Fundo é a quinta melhor cidade para fazer negócio, atrás de Porto Alegre (4º lugar no ranking geral), Santa Cruz do Sul (20º), Bento Gonçalves (27º lugar) e Erechim (41º). No índice de 2017, era a quarta. A vizinha Erechim, que está na frente de Passo Fundo, conquistou a 22ª posição no quesito Desenvolvimento Econômico. Nessa tabela, Passo Fundo não consta. Este item é calculado a partir de números do Valor Adicionado do Produto Interno Bruto (PIB), nos diversos setores da economia, e do PIB per Capta, além das porcentagens de empregos, balança comercial e crescimento de Microempreendedores Individuais (MEI). Valores envolvendo a gestão fiscal também compõem a média.


Polo de educação e com economia diversificada, o único indicador em Passo Fundo subiu foi o de Capital Humano. Em 2018, ficou na 13ª posição, com indicador de 4,531 IQM. Em 2017, o município estava na 31ª colocação neste índice. Entre os municípios gaúchos, só Porto Alegre está na frente de Passo Fundo em Capital Humano. A Capital ficou em 10ª, no ranking nacional. Neste item, a Urban Systems analisa questões sociodemográfica,econômicas e do setor de educação, em diferentes níveis de ensino, contrapondo não apenas a oferta do capitalhumano atual, como olhando também para o cenário futuro.


Infraestrutura
No aspecto infraestrutura, Passo Fundo perdeu posições, ficando em 73 no ano passado. Em 2017, estava na 66ª colocação. O IQM ficou em 2,937. Os indicadores de infraestrutura estão condicionados às facilidades que proporcionam ao desenvolvimento deempresas e negócios nas cidades.Com dados que tratam desde a infraestrutura básica (distribuição de água, por exemplo) até a questão detelecomunicação, os números apontam cidades que não possuem barreiras para o desenvolvimento denegócios de diferentes segmentos. De acordo com a Urban Systems, em economias cíclicas, é importante que a cidade tenha condições favoráveis para instalação de indústrias e de empresas de serviços.

 

Sobre a pesquisa
Para o ranking, são analisados 310 municípios com mais de 100 mil habitantes. Juntas, essas cidades representam 70,4% do PIB Brasileiro, além de concentrar 62,1% das empresas, 72,6% dos empregos formais e 56,5% da população brasileira.O cálculo do Índice Mercadológico permite que se parta de valoresespecíficos de cada informação que variam em natureza,complexidade e unidades de medida, para se chegar a valoresponderados que podem ser analisados em uma mesma equação.O Índice de Qualidade Mercadológica (IQM®) é construído quandoo objetivo é prospectar e hierarquizar as melhores áreas potenciaispara investimentos.


O principal objetivo do índice é servir como termômetro para indicar as especificidades de cada cidade e, assim, auxiliar empresários a tomar decisões sobre futuros investimentos.

 

Investimentos
Apesar da queda nas posições, 2018 foi sinônimo de investimentos para Passo Fundo. Dois empreendimentos, o Passo Fundo Shopping e uma filial da Havan, entraram em funcionamento no segundo semestre do ano passado.


O primeiro a abrir as portas ao público foi o shopping, no dia 8 de novembro, após quatroanos de obras. Com investimento de R$ 210 milhões, a inauguração foi vista como o início de um novo ciclo no desenvolvimento econômico da cidade e, em especial, do bairro São Cristóvão. A estimativa é que o empreendimento estimule mais de 2 mil empregos. Nos anos seguintes, as finanças da Prefeitura devem ser incrementadas com o retorno do ICMS, já que principal critério para calcular a participação do município é o Valor Adicionado Fiscal. O VAF representa a diferença entre as vendas e compras de mercadorias e serviços de todas as empresas.


Um mês depois, foi a vez da rede catarinense iniciar suas operações, na avenida Brasil, ao lado do Stock Center. A megaloja da Havan, de 7,4 mil metros quadrados, teve um investimento de mais de R$ 40 milhões. A estrutura foi erguida em menos de seis meses. Mais de 100 empregos diretos foram gerados com o investimento.

PUBLICIDADE



PUBLICIDADE