PUBLICIDADE

Saúde


O descarte inadequado de remédios

Publicada em: 30/06/2018 - 11:30

Estudos recentes detectaram concentrações do antidepressivo Sertralina em rios

O descarte inadequado de remédios

Crédito: Divulgação

A acadêmica Priscila Faustino Fornari da Rosa, do Programa de Iniciação Científica do curso de Química Bacharelado da UPF, realiza revisão bibliográfica que tem como objetivo levantar dados sobre os impactos ambientais gerados em águas e nos organismos aquáticos presentes nesses meios, por consequência de fármacos antidepressivos descartados inadequadamente ou excretados pelos seres humanos. O trabalho é orientado pelo professor Me. Delton Luiz Gobbi. Segundo a estudante, quando as pessoas suspendem o uso dos medicamentos para a doença, acabam descartando o que sobrou no lixo e esgoto doméstico. Além disso, entre 50% a 90% desses fármacos e seus metabólitos são excretados inalterados pelo nosso organismo. Priscila ressalta que estudos recentes detectaram concentrações do antidepressivo Sertralina em rios e também detectaram concentrações de Citalopram e seus metabólitos, mesmo após tratamento convencional em estações de tratamento. Sabendo que doenças do sistema nervoso central estão cada vez mais sendo diagnosticadas e tratadas, a acadêmica busca dados sobre uso, descarte, propriedades químicas e farmacológicas dos antidepressivos Sertralina e Citalopram, para melhor entender como esses medicamentos podem afetar sistemas hídricos. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



PUBLICIDADE