PUBLICIDADE

Saúde


Se exponha, mas não se queime

Publicada em: 30/12/2018 - 07:00

A SBD realizou um mutirão de atendimentos para identificação e tratamento do câncer de pela

Se exponha, mas não se queime

Crédito: Manfred Antranias Zimmer-CCO

Entre dezembro e março, intensificamos o nosso trabalho de conscientização e combate ao câncer de pele. No início deste mês, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realizou um mutirão de atendimentos para identificação e tratamento da doença, dando início à campanha Dezembro Laranja. No Rio Grande do Sul, contamos com postos e dezenas de dermatologistas, residentes, acadêmicos de medicina e demais voluntários em Porto Alegre, Canoas, Caxias do Sul, Lajeado, Passo Fundo, Pelotas, Rio Grande e Santa Cruz do Sul.

 

Detecção em estágio inicial
Se por um lado observamos um aumento de 4% de suspeitas da neoplasia com relação ao ano passado, entre os 1440 atendimentos realizados (em 2017 foram identificados 18% e em 2018 foram 22%), por outro lado, encaramos a estatística como algo positivo. A detecção em estágio inicial da patologia aumenta a possibilidade de cura, além de demonstrar que a população está atenta aos sinais indicativos do câncer de pele. Destaco que esta iniciativa teve ainda o apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, que viabilizou um local de atendimento, a Unidade de Saúde do IAPI, conhecido como Postão do IAPI. Além disso, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Regional do Rio Grande do Sul (SBCP-RS) também teve expressiva participação, colaborando com a futura e breve resolução dos casos suspeitos.

 

Cuidados necessários
Observamos que ao longo destes cinco anos em que a SBD promove o Dezembro Laranja, a campanha tem conseguido sensibilizar cada vez mais a sociedade. Prova é que de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa de ocorrências de câncer de pele não melanoma diminuiu em 10 mil casos entre o biênio 2016/2017 e 2018/2019. Acreditamos que a ampla divulgação das medidas de fotoproteção, como evitar os horários de maior radiação solar, entre 10h e 16h; utilizar chapéus de abas largas; óculos de sol com proteção UV; roupas que cubram boa parte do corpo; procurar locais de sombra e manter uma boa hidratação corporal, devem ter contribuído para esta queda das estatísticas. Portanto, neste verão, utilize diariamente protetor solar com fator mínimo 30, reaplique-o em intervalos de duas a três horas ou após longos períodos de imersão na água. Se exponha ao sol, aproveite os belos dias da temporada, mas não se queime.

 

 

Clarissa Prati é presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS (SBD-RS)

PUBLICIDADE



PUBLICIDADE