MDH cria sistema virtual para analisar casos de testemunhas protegidas

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em todo o Brasil, 537 pessoas são atualmente protegidas pelo Programa de Assistência a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (Provita). São testemunhas de crimes que, por estarem em condições de risco, tiveram ser retiradas de seu lugar de moradia, com o auxílio do Estado. Para analisar as características e dar visibilidade a tais casos, o Ministério dos Direitos Humanos (MDH) instituiu o Sistema Nacional de Informações de Vítimas e Testemunhas (Sisnavt), que consiste em uma plataforma virtual de registro e divulgação de informações.

 

De acordo com portaria ministerial publicada nesta terça-feira (12) no Diário Oficial da União, o sistema tem a finalidade de receber dados relacionados às pessoas protegidas, testemunhas ou familiares, inclusive em relação às dimensões psicossociais e à dinâmica de reinserção social durante sua estada no Provita; armazenar dados que possam demonstrar a efetividade e a eficácia do programa; oferecer ferramentas para a geração de relatórios e produção de informações para análises e aferição de sua contribuição para a defesa e promoção dos direitos humanos das pessoas protegidas, bem como para o combate à impunidade.

 

Coordenador-Geral de Proteção à Testemunha, Wellington Pantaleão destacou a importância do novo sistema para a promoção dessa política. “A principal estratégia vinculada a esse sistema é dar visibilidade, dizer que é um programa importante e que protege vidas”, afirmou.


Questionado sobre o sigilo dos dados das pessoas protegidas, Pantaleão disse que o sistema é todo criptografado e que as informações serão apresentadas de “forma inteligente”, mantendo a segurança dos que estão na rede de proteção. “Em um futuro breve, vamos conseguir deixar uma parte dessas informações acessíveis. Hoje, todas as informações que entram no sistema são sigilosos, e nós nunca vamos divulgar nome e endereço das pessoas protegidas”, acrescentou.

 

Pantaleão informou que o sistema vinha sendo construído há 10 anos, mas só que agora deve sair do papel. A expectativa é que o portal seja lançado em até um mês.

Com a sistematização dos dados, deverão ser produzidos estudos comparativos, tanto sobre a prática de violação de direitos e de ameaças quanto sobre a própria efetividade da proteção das testemunhas, que hoje é executado por 13 estados e pelo governo federal, acrescentou o coordenador do Provita. Há também possibilidade de otimização do uso de informações, como depoimentos, em vários casos acompanhados pelo programa.

 

As informações serão adicionadas à plataforma pelos gestores estaduais e federal do programa, com o apoio das redes da sociedade civil que acompanham os casos.

Para garantir o acompanhamento do sistema, a portaria ministerial instituiu também o Comitê Gestor do Sistema Nacional de Informações de Vítimas e Testemunhas, que será composto pela Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação da Subsecretaria de Administração do Ministério dos Direitos Humanos; um representante do Fórum Nacional de Entidades Gestoras dos Programas de Proteção a Vítimas e Testemunhas; um representante dos convenentes estaduais dos programas de proteção a testemunhas e pela Coordenação-Geral de Proteção à Testemunha.

Gostou? Compartilhe