Operação investiga irregularidades na área de trading da Petrobras

Prejuízos identificados até agora estão em torno de R$ 17 milhões

Escrito por
,
em
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Polícia Federal (PF) cumpre hoje (18) 12 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, dentro das investigações da Operação Lava Jato. A 71ª fase, chamada de Operação Sem Limites II, tem como foco a área de trading da Petrobras, relacionada à compra e venda de petróleo, óleos combustíveis e derivados.

As ordens judiciais, expedidas pela 13ª Vara Federal da Justiça Federal em Curitiba, também envolvem dois ofícios para obtenção de dados telemáticos e bloqueio de valores até o limite dos prejuízos identificados até o momento, em torno de R$ 17 milhões.

Os 40 policiais cumprem sete mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, um em Cabo Frio e quatro em Petrópolis. A operação de hoje é um desdobramento da Operação Sem Limites, a 57ª fase da Lava Jato, deflagrada em dezembro de 2018.

Segundo a Polícia Federal, a análise do material apreendido na ocasião, além do resultado de pedidos de cooperação jurídica internacional, identificou mais pessoas que “auxiliavam e integravam a organização criminosa estruturada no sentido de lesar a Petrobras, especialmente em sua área de trading, onde são realizados negócios de compra e venda de petróleo, óleos combustíveis e derivados, entre outros, junto a empresas estrangeiras e que são destinadas às atividades comerciais da estatal”.

Foram identificados nas investigações vários doleiros que atuavam até 2018 no mercado paralelo de câmbio. De acordo com a PF, eles faziam a remessa de propina paga pelos intermediários no exterior para agentes públicos no Brasil. A investigação identificou titulares de contas no exterior em nome de empresas offshores.

A Polícia Federal suspeita que o esquema tinha o objetivo de manter certos empregados públicos em funções estratégicas da Petrobras, como a Gerência Executiva de Marketing e Comercialização. Os investigados podem responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa, crimes financeiros e lavagem de dinheiro.


Gostou? Compartilhe