Relatório aponta crescimento de 27,2% do desmatamento na Mata Atlântica

No Rio Grande do Sul o desflorestamento caiu 15%

Escrito por
,
em
A Mata Atlântica é o bioma que mais perdeu floresta no país até hoje, restando apenas 12,4% (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O desmatamento na Mata Atlântica cresceu 27,2% entre 2018 e 2019, na comparação com o período entre 2017 e 2018, de acordo relatório do Atlas da Mata Atlântica, divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O percentual corresponde a um total de 14.502 hectares. No período anterior foram desmatados 11.399 hectares.


O estado que lidera a lista dos que mais desmataram é Minas Gerais, com uma perda de quase 5.000 hectares de floresta nativa. A Bahia ficou em segundo lugar, seguido pelo Paraná. Os três líderes do ranking tiveram aumento de desflorestamento de 47%, 78% e 35%. Já o quarto e quinto lugares da lista, Piauí e Santa Catarina, tiveram redução do desflorestamento de 26% e 22%. Ainda assim, o Piauí somou 1.558 hectares desmatados e Santa Catarina 710.

O desflorestamento caiu 15% no Rio Grande do Sul. Entre 2018 e 2019 foram 146 hecteres desmatados. No período anterior o estado perdeu 171 hectares de Mata Atlântida.

Segundo o diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, a ampliação do desmatamento da Mata Atlântica mostra que a destruição do meio ambiente não tem ocorrido apenas na Amazônia. “O fato é preocupante, já que restam apenas 12,4% da Mata Atlântica, o bioma que mais perdeu floresta no país até hoje”, disse

Os resultados foram considerados decepcionantes pela a diretora executiva da SOS Mata Atlântica e coordenadora geral do Atlas, Marcia Hirota. A decepção vem do fato dos desmatamentos continuarem ocorrendo nas mesmas regiões. “Observamos vários desmatamentos em áreas interioranas e nos limites da Mata Atlântica, como no Cerrado em Minas Gerais, na Bahia e no Piauí, além de regiões com araucárias no Paraná. Como são áreas já mapeadas anteriormente, os desmatamentos poderiam ter sido evitados com maior ação do poder público. É lamentável que sigam destruindo nossas florestas naturais, ano após ano."

Pelo lado positivo, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Paraíba, Pernambuco e São Paulo apresentaram valores muito baixos. E o Alagoas e Rio Grande do Norte conseguiram zerar os desmatamentos.

“Em muitos estados, que chegaram ao nível do desmatamento zero, pode ocorrer o chamado efeito formiga, os desmatamentos pequenos que continuam acontecendo em várias regiões e o satélite não enxerga. É a floresta nativa sendo derrubada aos poucos, principalmente pelo avanço de moradias e expansão urbana", explicou.


Com informações da Agência Brasil

Gostou? Compartilhe