Campanha de doação de leite materno pretende aumentar 15% o número de doadoras

A doação de leite é apontada como um dos fatores fundamentais para a queda da mortalidade na infância no Brasil.

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

"Quando você doa leite materno, doa vida para um bebê e  força para a mãe". Esse é o lema da campanha 2014 de doação de leite materno, lançada hoje (22) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, no Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De acordo com o ministro, apesar do aumento no número de doadoras verificado desde 2008, entre 2012 e 2013 houve uma redução de 12%. “Nós precisamos aproveitar essa semana em que em todo o Brasil se realizam atividades relacionadas ao aleitamento materno e aos bancos de leite humano, [para pedir] que as mulheres que possam, que tenham amor à vida, solidariedade a outras mães e a outros bebês que precisam de leite humano, se cadastrem para ajudar a salvar mais vidas, a fazer brasileirinhos e brasileirinhas mais saudáveis em todo o país”, reforçou o ministro.

A doação de leite é apontada como um dos fatores fundamentais para a queda da mortalidade na infância no Brasil. A taxa caiu de 18,9 mortes por mil nascidos vivos, em 2010, para 17,9, em 2011, o que fez o Brasil alcançar o objetivo do milênio antes do prazo, 2015.

Uma das madrinhas da campanha desde ano, Rany Souza, mãe da Isabela, que nasceu no dia 28 de março, diz que a pequena precisou de leite doado por 15 dias. “Assim que ela nasceu, ela foi direto para a cirurgia, eu não pude dar leite para ela e o meu peito secou, então nesse momento eu não pude amamentar. Então o banco de leite ajudou bastante. Eu fiz translactação [técnica usada para reintroduzir o aleitamento no peito] e agora eu já consigo amamentar, as meninas do banco de leite ajudaram, ensinaram a fazer a massagem no peito para estimular”.

O ministro Chioro lembrou que o Brasil é a referência mundial em termos de banco de leite humano. “Países como França, Portugal e Espanha adotaram o modelo brasileiro e vieram aprender conosco. Na África, estamos fechando termos de cooperação técnica a pedido da Organização Mundial da Saúde”, citou.

De acordo com o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, a tecnologia brasileira foi desenvolvida no SUS e hoje está sendo exportada também para os Estados Unidos.

“A Rede de Bancos de Leite Humano representou toda uma riqueza de tecnologias e logística da constituição desses bancos de leite, qualquer um deles tem o mesmo padrão tecnológico, o mesmo padrão de qualidade do leite que é fornecido, ele desenvolveu tecnologias baratas para tornar acessível e possível de reproduzir dessa experiência não só no Brasil mas em países do continente africano, que tem também dificuldade de recurso, e também a logística do campo da informação”.

Criada em 1985, a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH-BR) conta hoje com 214 bancos de leite e 134 postos de coleta em todos os estados, a maior do mundo. Por ano, são recolhidos 160 mil litros de leite, que beneficiam 175 mil recém-nascidos internados em unidades de terapia intensiva e semi-intensiva.

O coordenador da rede e do programa ibero-americano de bancos de leite, João Aprígio, explica que o Brasil é referência também nos protocolos de atenção à mãe e ao bebê. O país tem animado uma campanha para a criação do Dia Mundial da Doação de Leite Humano, 19 de maio, já comemorado no Brasil e em outros 22 países.

“O Brasil, nessa sua posição de vanguarda, de inovação, capitaneou um trabalho muito bonito, que é da criação do Dia Mundial da Doação do Leite Humano, o Brasil foi o primeiro a ter um dia nacional, comemorado em 2004. A partir de 2010, com o Fórum de Cooperação Internacional que o Brasil realizou, essa data passou para 19 de maio, que foi quando o Brasil produziu o primeiro documento internacional sobre doação de leite humano. Agora nós temos vários países da América Latina, hispânicos, na Europa, comemorando conosco o 19 de maio”.

Durante o lançamento da campanha desta ano, também foi apresentado o  curso à distância do Sistema de Controle de Qualidade da rBLH, que será feito por todos os funcionário de bancos de leite do Brasil e de países parceiros. Foi lançado também o primeiro Prêmio Jovem Pesquisador da Rede de Bancos de Leite Humano, dirigido a graduandos e profissionais com até dez anos de formados, para incentivar trabalhos que possam contribuir para o fortalecimento das ações.

Agência Brasil

Gostou? Compartilhe