Grupo hacker divulga dados pessoais de Bolsonaro, filhos e aliados do governo

Horas depois do vazamento, perfil do Anonymous Brasil saiu do ar

Por
· 1 min de leitura
Foto: Reprodução/TwitterFoto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O perfil do grupo hacker Anonymous Brasil voltou à atividade, na noite de segunda-feira (1º) após quase dois anos sem atividades cibernéticas, e vazou dados pessoais do presidente da República, Jair Bolsonaro, dos filhos dele, Carlos, Eduardo e Flávio, e de integrantes do governo federal, como os dos ministros Abraham Weintraub, da Educação, e Damares Alves, da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. 

A publicação traz informações como celulares válidos, email, endereços, bens declarados, participação em empresas, score do Cadastro de Pessoa Física (CPF), além de dívidas registradas. Horas depois da divulgação, o perfil no Twitter da célula brasileira saiu do ar. A ação do grupo, no país, possivelmente foi inflamada pela reação de outros integrantes da Anonymous no mundo, que, no domingo (31), divulgou um vídeo direcionado à polícia americana, ameaçando expor “muitos crimes” cometidos pela polícia em todo o mundo, segundo apontou o site especializado Tecmundo. 

Pela mesma plataforma de microblog, o verador Carlos Bolsonaro disse que "medidas legais" estão em andamento "para que tais movimentos não passem impunes". 

Quem é o grupo

Desde 2003, o grupo Anonymous existe simultaneamente como um "cérebro global" na comunidade online e atua de forma coordenada para, segundo eles, promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão.

Em outubro de 2011, o grupo realizou uma campanha contra a pornografia infantil protegida por redes anônimas. Eles derrubaram 40 sites de pornografia infantil, publicaram o nome de mais de 1500 pessoas que frequentavam essas páginas, e convidaram o FBI e a Interpol para acompanhá-los na operação que ficou conhecida como DarkNet.



 

Gostou? Compartilhe