Ministro das Relações Exteriores lamenta invasão ao Congresso dos EUA e pede investigações

Ernesto Araújo ainda falou sobre desconfiança de parte da população americana com o sistema eleitoral

Por
· 1 min de leitura
Ernesto Araújo, do MRE, comentou invasões em redes sociais (Foto: Agência Brasil)Ernesto Araújo, do MRE, comentou invasões em redes sociais (Foto: Agência Brasil)
Ernesto Araújo, do MRE, comentou invasões em redes sociais (Foto: Agência Brasil)
Você prefere ouvir essa matéria?

O Ministro das Relações Exteriores (MRE), o chanceler Ernesto Araújo lamentou hoje (7), em redes sociais, a invasão do Congresso norte-americano ocorrida ontem, durante a cerimônia de validação dos votos dos delegados nas eleições gerais de 2020.

Araújo afirmou a necessidade de investigação das quatro mortes decorrentes do protesto. Segundo Araújo, “nada justifica uma invasão como a ocorrida ontem.”

Em sua postagem, Ernesto Araújo citou ainda a insatisfação de parte do eleitorado americano que, segundo ele, “se sente agredido e traído por sua classe política e desconfia do processo eleitoral.”

O chanceler afirmou que a distinção entre o processo eleitoral e democracia deve ser observada, e que “uma democracia saudável requer a confiança da população na idoneidade do processo eleitoral.” Outras autoridades brasileiras, como o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se manifestaram sobre a invasão.

Não existem evidências de fraude no processo eleitoral americano e Trump perdeu processos judiciais em diversos estados americanos onde contestou o resultado.

Estado de emergência

Segundo a prefeita de Washington, a democrata Muriel Bowser, quatro pessoas morreram e 70 manifestantes foram presos após os confrontos. Pelo menos 14 policiais foram feridos e hospitalizados.

A declaração de estado de emergência na cidade - utilizada para instituir o toque de recolher - foi prorrogada por mais 15 dias. A posse e o juramento público de Joe Biden e Kamala Harris estão previstos para acontecer no dia 20 de janeiro.

Em coletiva de imprensa dada na sede da polícia metropolitana da cidade, Bowser afirmou que “pessoas que desrespeitarem o toque de recolher serão presas”.

Gostou? Compartilhe