OPINIÃO

Fatos - 16/01/2013

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Polêmico I

O vereador Patric Cavalvanti, DEM, se organiza para entrar em um tema extremamente polêmico. Busca todo o tipo de informação legal e técnica para criar um projeto de lei que proíba o consumo de bebida alcóolica em via pública, a partir de uma determinada hora. Quem quer beber que vá para estabelecimentos apropriados (bares, restaurantes, pubs, etc) ou vá para casa. Quem conhece outros países da Europa e já esteve nos Estados Unidos sabe que beber álcool em via pública pode dar cadeia. Nestes lugares funciona assim e ninguém reclama. E tem muita gente viajada que obedece as leis estrangeiras, mas acha absurdo que se aplique o mesmo aqui.

 Polêmico II

A proposta de Patric, que está no segundo mandato como vereador, é, de fato, polêmica. Dará muito pano para a manga até que se construa uma proposta que contemple a gregos e troianos. No entanto, considero importante que este tema seja debatido amplamente, porque uma das consequências da permissividade de se beber em via pública é o descontrole. Menores fazem uso de bebidas alcóolicas, brigas e acidentes acontecem em decorrência da beberagem, sem falar nos atos libidinosos em público e da imundice gerada pelos ‘bebuns’ de plantão.

 Secretariado

Todo secretariado e dirigentes de autarquias da nova gestão municipal farão sua primeira reunião de governo nesta quarta-feira, 16, com o prefeito Luciano Azevedo. Na ocasião, será feita uma avaliação das duas primeiras semanas de atuação e ainda tratados ajustes administrativos.

 Sistema

O volume de acessos ao site da prefeitura, ontem, derrubou o sistema, obrigando a prorrogação do prazo para pagamento do IPTU com desconto em parcela única. O contribuinte tem a oportunidade de fazer este pagamento até esta quarta-feira. Outros setores da administração também tiveram dificuldades na comunicação via Internet.

 Dívida

Deputado estadual Frederico Antunes, PP, revelou ontem ao jornalista Políbio Braga que a dívida do Estado com precatórios chega a R$ 8 bilhões. E ele disse mais: “Nem queira saber quando entra mensalmente de precatórios novos. Imagine quanto entrará quando for julgada a Ação Coletiva do Ministério Público Estadual que beneficia os professores estaduais com o piso nacional do magistério?”

 

 

Gostou? Compartilhe