Passo Fundo se mantém entre os 10 maiores, mas perde posição

Município aparece em 8º no ranking, segundo medição de 2017, divulgada na sexta-feira pelo DEE

Por
· 1 min de leitura
Passo Fundo entre as dez maiores economias do EstadoPasso Fundo entre as dez maiores economias do Estado
Passo Fundo entre as dez maiores economias do Estado
Você prefere ouvir essa matéria?

Passo Fundo permanece no ranking das dez maiores economias do Estado, mas perdeu duas posições entre 2016 e 2017. O município saiu da 6ª posição, para a 8ª segundo dados do Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios  divulgados ontem pelo Departamento de Economia e Estatística em parceria com o IBGE. Os dados indicam que as 10 cidades concentraram 42,3% da atividade econômica do Rio Grande do Sul. O indicador em 2017 ficou praticamente estável na comparação com o ano anterior, quando este conjunto de municípios representava 42,4% do total.

Com Porto Alegre na liderança, o ranking nos primeiros lugares é formado ainda por Caxias do Sul, Canoas, Gravataí, Rio Grande, Triunfo, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas e Santa Cruz do Sul. O principal destaque da pesquisa, realizada em parceria com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e que marca a retomada da colaboração entre as duas instituições na elaboração dos dados municipais, foi o retorno de Caxias do Sul à segunda posição do ranking, ocupada no ano anterior por Canoas, que agora está no terceiro posto. Porto Alegre segue como o município gaúcho de maior PIB (R$ 73,9 bilhões), seguido da cidade serrana (R$ 21,7 bilhões) e do município da Região Metropolitana (R$ 18,9 bilhões). Em relação a 2016, além da troca entre Caxias do Sul e Canoas, Triunfo subiu quatro posições e Passo Fundo e Santa Cruz do Sul caíram dois postos. As demais cidades mantiveram os lugares no ranking. Entre os municípios com os 10 maiores PIBs do Estado, destacam-se as atividades no setor de serviços e na indústria e menor participação da agropecuária no Valor Adicionado Bruto (VAB). "A produção destes dados é fundamental para o Estado e para o planejamento de políticas públicas. Também é importante por demonstrar a dinâmica e a performance dos municípios a partir de informações sobre todos os segmentos produtivos", afirma a chefe da Divisão de Indicadores Estruturais do DEE, Vanessa Sulzbach. (Matéria completa na edição impressa)

Gostou? Compartilhe