Trote do Bem marca início da vida acadêmica de 50 jovens

Crianças em tratamento oncológico cortam cabelo de calouros de medicina

Escrito por
,
em
Tradicional rito de iniciação à carreira médica, o Trote Solidário envolveu 50 graduandos da UPF

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Enquanto aguardava os universitários que, em grupos, subiam as escadas do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), o pequeno Emanuel Montiel, de nove anos, acionava o botão para ligar a máquina de cortar cabelos, sentado em uma poltrona no Centro de Tratamento Oncológico Infantil da unidade hospitalar. O barulho, que provocou os risos do jovem paciente, logo se amplificou pelas gargalhadas dos 50 calouros do curso de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF) a cada novo deslize das lâminas na cabeça dos voluntários até não restar mais nenhum fio.


O gesto, repetido inúmeras vezes ao longo da tarde de terça-feira (18), é simbólico para os ingressantes na carreira por marcar, através do Trote do Bem, a iniciação na vida acadêmica da área médica. “É uma coisa extraordinária porque mostra para eles que para exercer a medicina, além de tudo que aprendem, precisa ser humano”, disse o jovem Alisson Antônio Zuchi. Ao lado de Emanuel, o paciente de 16 anos, foi o responsável pelo corte nos cabelos dos universitários. A ponderação dele, aliás, foi endossada pelo acadêmico Bruno Kreutz. Ao lado dos colegas, sentados em círculo no chão da sala de tratamento, e já calvo, o mato-grossense de 21 anos enfatizou que a adoção da solidariedade contribui para ressignificar esse rito de passagem do ensino médio para o superior. “Até pouco tempo atrás, o trote tinha uma conotação bastante negativa. Para nós, ter esse breve momento pode significar um ato de confraternização, mas para essas crianças é um gesto de empatia, de estender a mão e se colocar, por um instante no lugar deles, porque antes de sermos médicos, somos humanos”, afirmou. “Querendo ou não, essa visão mais humanizada da medicina é algo que está faltando”, prosseguiu.

 

Laços estreitos

O corte, no entanto, não foi apenas em voluntários masculinos. As universitárias se posicionaram no centro da roda para a medição dos cabelos. Os 15 cm que Alisson e Emanuel retiraram de cada uma das acadêmicas, serão destinados à confecção de perucas naturais para outras pacientes em tratamento oncológico no HSVP. “Nós sabíamos que teria o trote solidário e como estávamos aqui resolvemos participar. Eu acho que é um incentivo, principalmente para os pacientes, e para quem está começando”, reiterou a mãe de Alisson, Elinaura Gaboardi Zuchi que acompanhava atenta às movimentações na sala. Há um ano e três meses, ela se desloca de Marau ao lado do filho para o tratamento após o diagnóstico de osteosarcoma [tipo de câncer ósseo que começa nas células formadora dos ossos].


Ao lado dela, também com o celular em mãos para registrar os mínimos movimentos do ato de solidariedade, a mãe do pequeno Emanuel, Raquel Montiel, observa os movimentos cautelosos do paciente, internado para uma biópsia e diagnosticado aos oito anos com Sarcoma de Ewing [tumor maligno que afeta os ossos ou os tecidos moles do corpo humano]. “Foi uma emoção porque isso vai servir para ele, se precisar passar de novo por uma quimioterapia, se sentir mais forte e entender que não é só nele que cai o cabelo”, assegurou.



Gostou? Compartilhe