OPINIÃO

Digitalização dos negócios: um futuro atrasado

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

“Como continuar oferecendo nossos serviços enquanto garantimos proteção à saúde dos nossos funcionários?” Essa pergunta permeou as discussões entre os gerentes da Bortolini Imóveis e foi decisiva para o posicionamento adotado pela imobiliária desde o fechamento do comércio de Passo Fundo. Ela foi importante também para ligar um sinal de alerta: ainda estamos muito atrasados quando o assunto é digitalização dos negócios.

De fato, toda crise gera medo, insegurança e incertezas. Mas da crise também podemos tirar as melhores oportunidades de crescimento. Ninguém está imune aos efeitos do COVID-19, inclusive nossa economia, ainda muito fragilizada pelos anos desafiadores que teve de enfrentar a tão pouco tempo. Mas é interessante notar o quanto o momento atual tem nos obrigado a olhar para os nossos negócios como talvez nunca tenhamos nos permitido olhar antes. Tem nos forçado a encontrar alternativas em um ambiente ainda pouco explorado pelas empresas, mas que hoje se mostra o mais seguro: o ambiente digital.

A tecnologia sempre foi uma realidade para a Bortolini, o que ajudou muito no processo de adaptação ao novo cenário. Mas ainda assim está sendo um grande desafio. Com o isolamento social, tivemos de migrar toda a nossa operação para o digital, incorporando uma nova rotina de trabalho, uma nova forma de gerenciar equipes e de oferecer nossos serviços. Nunca antes havíamos testado o modelo home office, por exemplo, talvez pela formalidade do mercado imobiliário que, como outros segmentos tradicionais, muitas vezes exige olho no olho para estabelecer uma relação de confiança.

Mas isso não pode ser visto como empecilho. Os serviços ainda podem ser entregues com a mesma qualidade se soubermos aproveitar ao máximo ferramentas disponíveis no mercado, para cada tipo de segmento. Para nós, digitalizar todo o processo, de ponta a ponta, dependia apenas de melhorar a utilização de softwares que já possuíamos. Então fortalecemos o atendimento online por meio de todos os nossos canais de comunicação (telefone, e-mail, site, Whatsapp, Facebook, Instagram), adaptamos processos manuais e assim conseguimos desburocratizar as operações, mantendo a mesma qualidade e validade jurídica.

A visita aos imóveis continua disponível, mesmo sem o acompanhamento de um profissional. Contamos com tele entrega de chaves, todas devidamente higienizadas e lacradas, garantindo segurança e comodidade aos nossos clientes. Para quem ainda assim prefere não sair de casa, também oferecemos a visita guiada online. Nosso profissional vai até o imóvel de interesse, tomando todas as medidas de precaução, enquanto nossos clientes acompanham tudo ao vivo, por videochamadas. Os documentos necessários para o fechamento dos negócios pode ser enviado por email e até mesmo a formalização da compra, venda e locação de imóveis pode ser feita através da assinatura digital dos contratos.

Mas o que quero dizer com tudo isso é que não importa o quão tradicional é o seu segmento de atuação, sempre haverá alternativas para continuar oferecendo seus serviços quando o atendimento presencial não for uma alternativa. Alguns de forma integral, outros criando serviços à parte, capazes de manter o relacionamento com o cliente onde quer que ele esteja. Não é uma tarefa fácil, mas a transformação digital é um futuro inevitável. Todas as empresas, hora ou outra, vão precisar se adequar, seja pelas circunstâncias ou pelo perfil das novas gerações. Então por que não começar agora? O que você precisa para colocar em prática?

Gostou? Compartilhe