Aumenta número de transplantes em Passo Fundo

Dos 92 transplantes realizados em 2013, 67 foram de córnea, 14 de fígado e 11 de rim. No primeiro trimestre de 2014, os números já são esperançosos. Até 31 de março, o HSVP realizou 14 transplantes de córnea, cinco de fígado e um de rim.

Por
· 2 min de leitura
Rudiberto Coldebella completou quatro meses de seu transplante de fígadoRudiberto Coldebella completou quatro meses de seu transplante de fígado
Rudiberto Coldebella completou quatro meses de seu transplante de fígado
Você prefere ouvir essa matéria?

Receber uma nova chance de vida. É isso que aguardam os pacientes na fila para o transplante de órgãos. A busca por um órgão muitas vezes é demorada e depende do ato solidário da doação. O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, através da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) e Organização Por Procura de Órgãos (OPO4-RS), realiza campanhas e ações permanentes de incentivo à doação, com objetivo de diminuir a espera dos pacientes que estão na fila. Em 2013, 92 transplantes foram realizados no HSVP, possibilitando um elo de continuidade da vida para estes pacientes. Em 2014, a expectativa é que os números aumentem.

Dos 92 transplantes realizados em 2013, 67 foram de córnea, 14 de fígado e 11 de rim. No primeiro trimestre de 2014, os números já são esperançosos. Até 31 de março, o HSVP realizou 14 transplantes de córnea, cinco de fígado e um de rim. Segundo Dr. Paulo Reichert, cirurgião e coordenador da Equipe de Transplante Hepático do HSVP, em 2014 a perspectiva é que sejam realizados 20 transplantes de fígado, aumentando também os de córnea, ossos e rins.

Para a o transplante acontecer é preciso que haja doação de órgãos. A vontade de ser doador deve ser transmitida aos familiares. Não há nenhum documento que permita a doação de órgãos de uma pessoa, a única forma de doar é comunicar o desejo à família, que poderá autorizar ou não o ato da doação. Conforme Reichert, em 2013 houve um aumento das negativas familiares, o que diminuiu o número de doações. “A divulgação sobre a doação de órgãos é muito importante. Porém, não é a única variável. Sem dúvida os números de doações de órgãos têm relação com a estruturação da saúde dos estados e países, com seus números de leitos em CTI´s, vagas e acessos aos hospitais, além do engajamento dos neurologistas e intensivistas no diagnóstico da morte encefálica”, aponta o especialista.

As filas de espera por um transplante são controladas pelas Centrais de Transplantes, de tal forma que os critérios médicos e a ordem de inscrição são totalmente respeitados. Portanto, segundo o cirurgião, a fila de espera por um órgão não funciona unicamente por ordem de inscrição. Primeiro, o órgão precisa ser compatível com o receptor. Depois é selecionado, daqueles compatíveis, quem tem maior tempo de espera na lista. Para isto, se conta com um programa de computador que faz a distribuição dos órgãos de forma muito bem determinada. “Quando se tem uma divulgação maior na mídia, o número de doações aumenta, por isso é preciso divulgar permanentemente esta campanha”, reforça Reichert.

Rudiberto Coldebella, 69 anos, de Marau, deixou a fila de transplantes no dia 12 de janeiro de 2014, quando realizou o transplante de fígado. Quatro meses após a cirurgia ele conta que está muito bem e feliz por ter recebido essa nova oportunidade de vida. “Nem parece que eu fiz o transplante, está tudo correndo muito bem. Minha qualidade de vida melhorou. Estou tendo a chance de viver mais tempo, o transplante me possibilitou viver mais”, destaca Coldebella, enfatizando a importância do ato da doação. “As pessoas que têm a possibilidade de doar devem realizar o ato da doação. Esse gesto dá continuidade a muitas vidas e é muito importante para quem espera na fila de transplantes, enfrentando as incertezas do futuro”.

Gostou? Compartilhe