2,3 mil famílias recebem cesta básica de alimentação escolar

Medida beneficia famílias de estudantes que deixaram de ir às escolas por causa da pandemia de Covid-19

Por
· 2 min de leitura
ZA 15ª CRE, de Erechim, recebeu 2.340 cestas que serão entregues a 54 instituições de ensino de 30 municípios. Foto: Divulgação ZA 15ª CRE, de Erechim, recebeu 2.340 cestas que serão entregues a 54 instituições de ensino de 30 municípios. Foto: Divulgação
ZA 15ª CRE, de Erechim, recebeu 2.340 cestas que serão entregues a 54 instituições de ensino de 30 municípios. Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

Mais de 2, 3 mil famílias passo- fundenses devem receber, ao longo desta semana, os kits de alimentos previstos pela portaria do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), destinados aos alunos em situação de vulnerabilidade social que deixaram de ir à escola pela pandemia de coronavírus. 

Os diretores das escolas retirarão os mantimentos, armazenados na Universidade de Passo Fundo (UPF), até quinta-feira (7). No total, segundo a coordenadora da 7ª CRE, Carine Weber, 32 escolas receberão os kits. “Esta não é uma região muito vulnerável, então quase metade vai para os indígenas”, destaca.

Região 

Na 39ª Coordenadoria Regional de Educação, de Carazinho, o descarregamento foi concluído na segunda-feira (4), em um depósito na Avenida São Bento e contou com o apoio de uma empresa parceira, que cedeu uma paleteira, e com a força-tarefa da equipe da própria coordenadoria e de diretores que se apresentaram voluntariamente. Nesta primeira remessa, foram recebidas 2.340 cestas básicas, que serão distribuídas para 56 escolas.

A entrega começou às 13h30min e deve seguir ao longo desta terça-feira (5). Foi estabelecido um cronograma para a vinda dos diretores, a fim de evitar aglomeração. A orientação da CRE é de que os mantimentos não sejam armazenados nas escolas, mas entregues às famílias o quanto antes. “As pessoas estão precisando muito dessas cestas. Quando terminamos de descarregar, já havia famílias me perguntando como poderiam fazer para retirá-las”, conta a coordenadora Lisete Jarré.

Na região da 15ª CRE, de Erechim, a logística de recebimento dos alimentos, dos descarregamentos dos caminhões e da entrega para as escolas conta com o apoio da Defesa Civil, da Força Voluntária do Alto Uruguai, da Brigada Militar, do Comando Rodoviário da Brigada Militar, da Polícia Rodoviária Federal, do departamento de trânsito municipal de Erechim, da Fundação Nacional do Índio (Funai), da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e de uma empresa parceira. Ao todo, serão 2.340 cestas entregues a 54 instituições de ensino de 30 municípios.

A principal demanda é por mantimentos para estudantes das escolas indígenas atendidas pela regional. “Essas parcerias foram muito importantes, porque sozinhos não conseguiríamos fazer nada. Essa parceria é o que nos toca, tendo a participação de todos, tudo se torna muito mais fácil”, pontua a coordenadora da 15ª CRE, Juliane Bonez.

No estado 

Até o final do mês de maio, serão distribuídas 185 mil cestas básicas contendo 24 quilos de gêneros alimentícios cada uma, o que totaliza um investimento de cerca de R$ 22 milhões e mais de 4,5 mil toneladas de alimentos distribuídos para os pais e responsáveis pelos alunos. Os recursos são provenientes do governo do Estado, com a quantia de R$ 9 milhões, e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), com recursos na ordem de R$ 12,7 milhões.

A distribuição dos itens, segundo o governo do estado, respeita critérios técnicos estabelecidos pelo governo federal em ações que beneficiam famílias em situação de vulnerabilidade social, como as que constam no cadastro do Bolsa Família e que estão inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Gostou? Compartilhe