Passo Fundo tem taxa de ocupação de 78,4% nos leitos de UTI

Estimativa da Secretaria Estadual de Saúde leva em consideração tanto as internações por coronavírus quanto por outras enfermidades

Por
· 4 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O número de pacientes com Covid-19 internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de Passo Fundo passou de 17, no último domingo, para 20, até as 12h dessa segunda-feira (4), de acordo com o boletim epidemiológico do município. Somadas às internações por outras enfermidades, de acordo com o levantamento mais recente da Secretaria Estadual de Saúde, no dia 3 de maio, a taxa total de ocupação nos leitos de UTI Adulto disponíveis no município chegava a 78,4%. Na macrorregião Norte, que inclui municípios como Passo Fundo, Carazinho e Marau, a SES estima uma taxa de ocupação de 69,3% - uma das maiores do Estado, atrás da região dos Vales e da Serra.

Somente no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), nessa segunda-feira, a taxa total de ocupação dos leitos de UTI [seja por coronavírus ou outros problemas de saúde] chegou a aproximadamente 85%. Dos 20 leitos de UTI reservados exclusivamente para tratamento de pacientes em estado grave diagnosticados com Covid-19, 17 estavam ocupados na noite de ontem. Já nos 32 leitos de terapia intensiva para outras enfermidades, a taxa de ocupação era de 90%. Em relação aos leitos clínicos, onde cerca de 20 estão reservados para internação por coronavírus, 15 pacientes estavam internados. O HSVP esclareceu, no entanto, que o número de leitos clínicos pode ser ampliado conforme a demanda.

A situação é semelhante no outro hospital de referência regional instalado em Passo Fundo, o Hospital de Clínicas (HC). Na segunda-feira, a taxa total de ocupação dos leitos de UTI chegou a 78,78%. A instituição dispõe de 13 leitos de terapia intensiva destinados exclusivamente para casos complexos causados pelo SARS-Cov-2, dos quais seis encontravam-se ocupados, enquanto nos 20 leitos de UTI para outras enfermidades, na data, a ocupação era de 100%. Já nos 45 leitos clínicos para tratamento de Covid-19 da instituição, reservados aos quadros menos complexos causados pelo vírus, outros 16 pacientes estavam internados até essa segunda-feira. A reportagem de ON solicitou, ainda, a informação de quantos respiradores artificiais estavam à disposição da instituição para casos que demandam ventilação pulmonar, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta. 

A explicação para a incompatibilidade entre o número de hospitalizações por coronavírus em leitos de UTI informado pelos dois hospitais (23 ao todo) e o número que consta no último boletim epidemiológico do município (20) é o horário de fechamento dos balanços. Enquanto o levantamento dos hospitais refere-se a dados contabilizados até o fim da tarde de segunda-feira, o boletim do município inclui apenas o levantamento feito até as 12h do mesmo dia.


Número de casos cresce em toda a região

A elevada taxa de ocupação dos leitos de UTI, assim como a velocidade do avanço da doença e a alta incidência de casos sobre a população, foram alguns dos indicadores que colocaram a região de Passo Fundo em estado de alerta. Classificada com a bandeira vermelha pelo Governo do Estado, ao lado de Lajeado, a região de Passo Fundo teve as atividades de comércio totalmente vedadas na última sexta-feira. A medida, determinada em decreto estadual, tenta frear a rápida ascensão do novo coronavírus. Somente em Passo Fundo, são 203 casos positivos – 100 deles registrados em apenas sete dias – e 17 óbitos. O óbito mais recente, registrado nessa segunda-feira, foi o de um homem de 76 anos, com histórico de comorbidades. A taxa de incidência da doença na cidade é de 103.2 casos a cada 100 mil habitantes.

Mas nem todas as internações registradas nos hospitais de Passo Fundo se referem a casos de moradores locais infectados pelo novo coronavírus. Por ser um polo na área de Saúde, Passo Fundo recebe em suas instituições pacientes vindos de toda a região Norte do Estado, onde os casos positivos também têm crescido de maneira significativa. Na área de abrangência da 6ª Coordenadoria Regional de Saúde (6ª CRS), que engloba 62 municípios, entre eles Passo Fundo, até o momento foram confirmados mais de 370 contaminações por coronavírus. Em Marau, até essa segunda, a SES havia confirmado a existência de 84 casos positivos e duas mortes por Covid-19. Com apenas 44 mil habitantes, a cidade contabiliza a maior taxa de incidência do vírus em todo o Estado: 209.1 a cada 100 mil habitantes. 


Estado anuncia habilitação de 10 leitos de UTI em Passo Fundo

Para garantir o início do funcionamento de 136 leitos de UTI em 18 hospitais sob gestão estadual, que serão destinados a pacientes de Covid-19, o Governo do Estado vai realizar o pagamento dos custos das diárias previstas na habilitação pelo Ministério da Saúde. O anúncio foi feito pelo governador Eduardo Leite, nesta segunda-feira (4). "Como houve troca no Ministério da Saúde, a habilitação ainda não aconteceu e, para que possamos colocá-los imediatamente em operação, estamos encaminhando uma portaria da Secretaria da Saúde (SES) que vai viabilizar o pagamento das diárias até que se tenha o recurso federal. É uma decisão muito importante para priorizar o atendimento à população”, afirmou Leite na transmissão ao vivo diária de atualização sobre coronavírus no Estado.

Em Passo Fundo, cidade descrita pelo governador como “uma das situações mais delicadas do Estado”, foram habilitados 10 leitos, instalados no Hospital São Vicente de Paulo, no valor de R$ 496 mil. Segundo esclarecimento da assessoria de imprensa do HSVP, os leitos haviam sido montados pelo hospital e já estavam em funcionamento há dois meses, aguardando apenas o credenciamento como leito para Covid-19 por parte do Estado. Portanto, não se tratam de leitos novos.

Com custo médio diário de R$ 1,6 mil por leito de UTI, o valor mensal a ser investido pelo governo nos 136 leitos estaduais, distribuídos em 18 hospitais, está estimado em R$ 6,7 milhões. Há ainda outros 150 novos leitos prontos, em 19 hospitais, que estão sob gestão dos municípios, a quem o Estado pede que tomem a mesma medida. O investimento por parte das prefeituras somaria R$ 7,4 milhões por mês. Segundo a secretária da Saúde, Arita Bergmann, a pasta já está tratando do assunto com o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems). “É uma decisão de suma importância, porque esses leitos estaduais e municipais estão prontos, com equipe e equipamentos, e, pela demora da habilitação do Ministério da Saúde, tomamos esta decisão para que possam entrar em operação de imediato”, afirmou.

Dentro da estratégia de ampliação da estrutura hospitalar para atendimento de pacientes com Covid-19, o Rio Grande do Sul já criou, no total, 286 novos leitos de UTI, que estão prontos para operar. Esses 286 novos leitos representam uma ampliação de quase 30% na capacidade do Rio Grande do Sul, que contava até agora com 1.001 leitos de UTI adulto com atendimento oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Gostou? Compartilhe