Passo Fundo supera marca de 800 casos positivos

Município integra estudo nacional sobre o coronavírus

Por
· 3 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O número de casos positivos da Covid-19 em Passo Fundo subiu para 842, na tarde dessa quinta-feira (4), de acordo com boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde. O levantamento da pasta indica a confirmação de 284 novos casos em sete dias. A alta é observada também no número de óbitos. Somente nesta semana, foram registradas mais quatro mortes em decorrência da Covid-19, totalizando 35 desde o início da pandemia. As vítimas mais recentes foram duas mulheres, com 53 e 58 anos de idade, e dois homens, com 66 e 75 anos. 

O boletim epidemiológico informa ainda que, até a tarde de quinta-feira, 50 pacientes estavam hospitalizados no município com confirmação ou suspeita de Covid-19. Destes, 24 ocupavam leitos de UTI. A atual taxa de ocupação nos leitos de UTI Adulto na região de Passo Fundo é de 78%. Quanto ao número de pacientes recuperados da doença, este subiu para 429.

Estudo nacional sobre o coronavírus

Passo Fundo está entre as 133 cidades brasileiras que integram uma pesquisa para identificar o avanço e a prevalência do novo coronavírus no Brasil. A segunda etapa do estudo teve início na quinta-feira e segue até o sábado (6). Durante esse período, em visitas domiciliares, equipes de pesquisadores do Ibope devem entrevistar 250 pessoas de cada município selecionado, totalizando 33.250 participantes somente nesta fase da pesquisa. Os participantes são escolhidos a partir de sorteio e passam por um teste rápido que detecta a presença de anticorpos do coronavírus.

Coordenado pela Universidade Federal de Pelotas com financiamento do Ministério da Saúde, o Epicovid19 é o maior estudo populacional do mundo a estimar a prevalência de coronavírus e avaliar a velocidade de disseminação do contágio pela doença. A primeira etapa, realizada entre os dias 19 e 21 de maio, forneceu as primeiras evidências sobre o percentual de pessoas com anticorpos na população de 90 cidades brasileiras. Para cada diagnóstico confirmado, o estudo estimou que existem ao redor de sete casos reais não notificados. Os números somam 760 mil pessoas que têm ou já tiveram o coronavírus, contra o total de 104.782 casos notificados nessas cidades, segundo os boletins oficiais.

Além de possibilitar uma análise da proporção de pessoas com anticorpos para a Covid-19, o estudo determinará ainda o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas. Também viabilizará informações sobre sintomas mais comuns e letalidade e o desenho de estratégias de distanciamento social. Em nota, a Prefeitura de Passo Fundo orientou que todas as pessoas escolhidas para a sondagem aceitem participar. “A pesquisa é importante para avaliar o cenário local e nortear medidas de enfrentamento e prevenção do coronavírus”, afirma.

A pesquisa conta com três fases. O objetivo é entrevistar e testar 100 mil pessoas. Além de Passo Fundo, outras seis cidades gaúchas fazem parte do estudo: Caxias do Sul, Ijuí, Pelotas, Porto Alegre, Santa Cruz do Sul e Santa Maria.

 Primeira fase

Os resultados da primeira fase apontaram que menos de 1% da população das cidades gaúchas apresenta anticorpos para a Covid-19. Ainda conforme a pesquisa, o Rio Grande do Sul ocupa a terceira posição dos estados em que as pessoas mais cumprem as medidas de distanciamento social, fator associado ao percentual de infectados. Entretanto, em 90 dos 133 municípios, os números preocupam, uma vez que apontam para um índice que varia de 1,4% de pessoas com anticorpos. A comparação dos números estimados pelo estudo e os números oficiais evidencia uma grande subestimativa de infectados pelo coronavírus, ponderando que, para cada caso confirmado nas 90 cidades, existem outros sete na população.

Entenda como funciona a pesquisa

O estudo inclui a cidade mais populosa de cada uma das 133 regiões intermediárias do país, que são divisões do território nacional definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A seleção das residências e das pessoas que serão entrevistadas e testadas ocorre por meio de um sorteio aleatório, utilizando os setores censitários do IBGE como base. Durante a visita, os pesquisadores coletam uma gota de sangue da ponta do dedo do participante, que será analisada pelo aparelho de teste em aproximadamente 15 minutos. Em caso de resultado positivo, os profissionais comunicam a Vigilância Epidemiológica local.

Gostou? Compartilhe