A espera do mercado imobiliário por uma definição política

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após enfrentar as consequências da forte recessão econômica dos últimos anos, o mercado imobiliário espera ansioso por uma definição política, proporcionada pelas eleições deste mês de outubro. Não é para menos. Com a crise decorrente de inúmeros episódios no cenário nacional, acompanhamos ares de incerteza por todos os lados e a retração de um setor considerado um dos principais termômetros da economia.

 

Para quem compra, a grande dúvida: investir no ramo imobiliário em tempos como esse significa garantir segurança financeira ou correr o risco de ter parte do patrimônio imobilizado? Uma coisa não dá para negar: o imóvel é sempre um porto-seguro, uma moeda forte. Isso porque além de ser uma das mais consolidadas formas de investimento, é a que menos sofre interferências por não sentir de forma imediata os impactos e as oscilações do mercado financeiro. Além disso, o investimento no ramo imobiliário também é uma ótima opção para quem busca segurança patrimonial pelas boas projeções de valorização e por garantir um patrimônio para a posteridade.

 

Ainda é importante ressaltar que, principalmente diante de qualquer incerteza econômica, o investimento imobiliário deve ser considerado como uma das opções necessárias para proteger seu patrimônio e não necessariamente a única. Diversificar sempre é uma prática muito recomendada por economistas e especialistas em investimentos.

 

Outra dica é aproveitar o momento para comprar. Se por um lado épocas de crise podem não ser tão positivas para quem vende, a aquisição de um imóvel por quem está disposto a investir enquanto o país retoma o fôlego pode ser mais lucrativo a médio prazo. Isso acontece porque em momentos como o de agora, em que a economia volta a demonstrar sinais de crescimento, o mercado ainda apresenta uma curva mais baixa, com preços menores e muitas oportunidades. Aí é investir e aguardar a definição política e o fomento da recuperação econômica, que com certeza vão contribuir para que o seu investimento imobiliário tenha uma performance muito melhor que o próprio mercado financeiro.

 

Outro grupo que aguarda as proposições econômicas do novo governo para definir suas linhas de atuação é o das construtoras. Só em 2017, o número de lançamentos no Brasil caiu 13,4% em relação ao ano anterior. Mesmo em Passo Fundo, cidade que sempre se destacou na construção civil, o número de novos empreendimentos foi visivelmente menor nos últimos anos. É que por se tratar de um ramo com ciclo maior, muitas incorporadoras preferiram não arriscar durante a recessão, deixando engavetada boa parte de seus lançamentos.

 

Mas se esse foi o cenário dos últimos anos, os índices de 2018 já mostram que este ano foi diferente. De janeiro a julho, a ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) registrou uma forte retomada de lançamentos e alta nas vendas do programa Minha Casa Minha Vida. Os lançamentos de médio e alto padrão tiveram um aumento de 103,6% se comparado ao mesmo período do ano passado, enquanto as vendas do programa MCMV chegaram a ser 19,6% maior.

 

Tudo reflexo de um país que vê no pleito deste mês a chance de devolver a segurança financeira necessária para que os setores mais afetados pela crise possam fazer a economia voltar a girar. O mercado imobiliário, em especial, aguarda ansioso pelo seu fortalecimento e tem certeza que a estabilidade econômica trará novos e rentáveis negócios para todos aqueles que estão vinculados a ele, seja imobiliárias, construtoras ou seus próprios investidores.

Gostou? Compartilhe