A idade e o tempo de contribuição na reforma da previdência

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Segue, no Congresso Nacional, a tramitação da reforma da previdência, agora, com o retorno de Rodrigo Maia, que assume, ao lado de Paulo Guedes, a coordenação dos trabalhos legislativos e a articulação de conteúdo, inclusive, com blindagem a eventuais alterações. E o Bolsonaro? Este, por enquanto, segundo o que se noticia, ficará afastado desta arena. Só não podem esquecer de avisá-lo.

 

Dois pontos, para o governo federal, são estratégicos na reforma,um é a questão da idade mínima e outro é o tempo de contribuição. Pelas regras atuais, é possível a aposentadoria do trabalhador, junto ao INSS, por tempo de contribuição, independente da idade. Assim, hoje, com 30 de contribuição para a previdência, no caso da mulher, e 35 anos de contribuição, no caso do homem, o benefício da aposentadoria pode ser requerido. Esta alternativa, na proposta, deixa de existir.

 

Também, pelas regras atuais, é possível, após 15 anos de contribuição para a previdência, aposentar-se por idade, no caso da mulher, a partir dos 60 anos, no caso do homem, a partir dos 65 anos. Esta regra não desaparece, mas será modificada.

 

Ainda, quanto à idade, o sistema em vigor permite a aposentadoria pelo modelo 86/96, ou seja, soma-se tempo de contribuição com idade, admitindo a aposentadoria quando o resultado, para a mulher, alcançar 86 pontos e, para o homem, 96 pontos. Contudo, é obrigatório o tempo mínimo de contribuição de30 anos para a mulher e de 35 anos para o homem. Hoje, por exemplo, é possível a aposentadoria de um trabalhador com 59 anos de idade e 37 anos de contribuição (59 + 37 = 96). Esta regra não seguirá, se aprovada a reforma.

 

O que muda sobre idade e tempo de contribuição? Caso não haja alteração em seu texto, e o ministro Paulo Guedes não aceita negociar, a reforma da previdência extinguirá a aposentadoria exclusivamente por tempo de contribuição, ou seja, haverá idade mínima em qualquer hipótese de aposentação. A proposta é idade mínima de 62 anos para a mulher e 65 anos para o homem. Mas apenas a idade não bastará, além dela será necessário um tempo mínimo de contribuição, que passará a ser de 20 anos (hoje o tempo mínimo de contribuição é de 15 anos).

 

O valor da aposentadoria considerará 60% da média de todas as contribuições por 20 anos. A partir daí, cada ano a mais, com contribuição para a previdência, adicionará 2%. Desta forma, para receber 100% será preciso contribuir por 40 anos. Se passar de 40 anos de contribuição, o valor poderá ultrapassar 100% podendo chegar a 110%, com 45 anos de contribuição. Contudo, o valor não poderá exceder o teto da previdência, hoje fixado em R$ 5.839,45. A aposentadoria com valor integral, então, só com 40 anos de contribuição.

 

Há regras de transição, como, por exemplo, quanto à idade mínima, que começa com 56 anos para a mulher e 61 anos para o homem, além de 30 anos de contribuição para mulher e 35 anos de contribuição para o homem. A idade sobe seis meses a cada ano até chegar aos 62 anos para a mulher, em 2031, e 65 anos para o homem, em 2027.

 

Outra regra de transição é prevista para quem estiver há dois anos de se aposentar, quando da data de publicação da emenda constitucional da reforma da previdência. Para estes, será dada a opção de se aposentar sem idade mínima, mas com o fator previdenciário, após cumprir um pedágio de 50% sobre o tempo faltante.

 

Servidores públicos, trabalhadores rurais e militares são capítulos à parte, com regras próprias e algum espelhamento do Regime Geral de Previdência Social.

 

O que se lamenta é que diante de tantos temas importantes a serem discutidos, na reforma da previdência, o cidadão e a sociedade têm que aguardar que Brasília acomode vaidades, interesses e ambições pessoais.

 

André Leandro Barbi de Souza

 

Gostou? Compartilhe