A Planalto na história social

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Até o ano de 1969, quando foi oficialmente iniciada a transmissão da Rádio Planalto de Passo Fundo, dia 05 de abril, eram apenas duas emissoras de rádio no município: Rádio Passo Fundo (ZYH – 75) e Rádio Municipal – (ZYU – 38). Além do processo de concessão do canal, sob a liderança do bispo Dom Cláudio Colling, de grande prestígio no governo militar, é importante lembrar a participação da coletividade regional católica. A Diocese de Passo Fundo abrangia enorme extensão territorial, até as barrancas do Rio Uruguai. O surgimento de um canal de rádio prenunciava era promissora para a comunicação e cultura. Desde 1967 mobilizavam-se as paróquias dos confins interioranos para arrecadar recursos. Nas festas de igreja já se sabia que parte da renda destinava-se à instalação da futura rádio. Interessante notar que os propulsores desta cooperação financeira eram justamente pequenos proprietários rurais. Havia a ânsia pela conexão capaz de comunicar pulsando idéias de desenvolvimento cultural e econômico. A questão da terra, com surgimento dos desalojados das áreas inundadas pelas barragens na região, clamava por proteção política e social a uma matriz produtiva genuína. A população urbana não era tão concentrada e as atividades rurais garantiam renda para uma multidão de famílias. Nascia na época a COPREL sinalizando organização social cooperativa para acelerar fornecimento de energia, que era precária nas áreas rurais. Foi minha primeira reportagem externa fora do município, em Ibirubá. A diretoria da cooperativa explicava como seria a formação e finalidade da entidade de fomento. Acredito que esta foi uma forma de expressar a função da rádio, mantendo apoio às iniciativas de interesse coletivo, além da programação constante em conteúdo religioso.


Êxodo rural
Com base no panorama social e fundiário, observamos a necessidade de revisão na estrutura de subsistência rural e a ânsia de uma organização pelo cooperativismo e redistribuição de terras. Ouvia de muitos colonos benfeitores da rádio a angústia por novos espaços para as famílias que cresciam. Algumas acabaram morando nas cidades, disputando emprego. Era tempo de êxodo rural.

 

Rádio urbana
A implantação de programação moderna e equipe de apresentadores (locutores) jovens com os mais experientes, preservou uma sintonia cativante, especialmente musical entre a juventude. Passo Fundo iniciava como cidade universitária. Era a novidade nos ares da região. O rádiojornalismo sobrevivia em plena ditadura, com muitas restrições. Os redatores e repórteres cometiam, não raramente, ousadias perante a censura. Dávamos trabalho ao diretor Paulo Farina. Mesmo assim era um canal informativo, musical e cultural. Foi um período fecundo de muita vibração e experiência em pouco mais de cinco anos que atuei na Rádio Planalto. Hoje nos cabe cumprimentar direção e funcionários da emissora católica que continua missão importante na comunicação e sua transformação.

 

Martin esperança

Uma das criaturas mais admiráveis do mundo moderno, o líder negro Martin Luther King, foi assassinado em plena campanha pacificadora em Memphis, Estados Unidos. Sua coragem e grandeza social custaram-lhe o sangue. Mas seu olhar de esperança venceu importante maldade humana dos compatriotas racistas. O apartheid americano impregnava toda a nação que se dizia (mentirosamente) livre e democrática. Sua luta pôs fim ao último elo da corrente escravista legalizado. Martin é mais um nome entre os heróis do novo mundo, ao lado de Mandela e Zumbi dos Palmares. Lá se foram 50 anos e ainda faltam flores para o vergel da nova aurora de compreensão e solidariedade, mas o testemunho de Martin Luther King é a memória que orvalha a esperança matinal cotidiana. Como ele dizia: “I have a dream!”

 

Precocidade
O trabalho de pelo menos duas ONGs nacionais mostra preocupação com o crescente número de casamentos de meninas ou adolescente. Na maioria dos estados do norte brasileiro o índice atinge 35% dos casamentos. Além da imaturidade dessas meninas, ficou constatado que elas casam com pessoas de relativa posse, movidas por necessidade financeira. É um dos sinais de desvirtuamento familiar.

Gostou? Compartilhe