A soda derramada

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A venda do leite contaminado, leite adulterado, é crime repugnante contra a saúde pública. Mais ainda por se tratar de base alimentar para a criança. Provavelmente nem todos os criminosos das usinas de leite tenham sido flagrados adicionando produtos, alguns prejudiciais ao ser humano, como a soda cáustica ou peróxido de hidrogênio. Nas apreensões de produtos lácteos verificou-se que além da falsificação, a falta de escrúpulo dos autores vinha sendo quase uma prática voluptuosa em completo desprezo pela pessoa humana. O que se poderia imaginar como falsificação com mistura de água potável verificou-se de tamanha crueldade que nem mesmo a água misturada era saudável. Tudo pelo lucro. A respeito da falsificação do leite, impressionou-nos a revolta de uma mãe desolada ao imaginar que alimentava filhos pequenos com leite e soda. Os criminosos são detestados por todos, principalmente pelas mães.

 

Condenação
A condenação de 16 pessoas pela Justiça de Mondaí, Santa Catarina, traz alguma esperança de que o rigor indispensável possa amenizar essa ameaça à saúde pública. A notícia informa que os bens da empresa Laticínios Mondaí foram indisponibilizados. Nos últimos anos foram devastadoras as constatações de golpes extremamente pérfidos na iniciativa privada, prejudicando empregados, produtores e uma relação de consumo que deveria ser sagrada. Tudo pelo lucro sórdido e fugaz. Essas pessoas que praticam atos tão desnaturados são a pior espécie ética e moral. Um bom empreendimento produz riqueza, quando honesto, mas é traição humana quando espalha a dolorosa descrença. E há muito disso na atividade cotidiana.

 

Bolsonaro
O candidato Bolsonaro foi sabatinado de forma semelhante ao que ocorreu com a presidenciável Manuela D’ávila. Jornalistas botaram pressão sobre o entrevistado. Parece ser o método adotado. Bolsonaro respondeu muito bem para seus acólitos ou os que pensam como ele sobre seu método implacável de enxergar os menos favorecidos. Certamente agradou aos seus com a afirmação de teses machistas e em relação à pior catástrofe dos tempos no Brasil, a escravidão. O resultado pode ser entendido bom para quem pensa como ele, com o vulgar conhecimento sociológico e desprezo pela geração dos angustiados, oprimidos, e discriminados. Não dirigiu uma palavra sequer de ataque ao desvario do lucro dos bancos, que destrói a economia doméstica. Mesmo assim, concorre numa eleição democrática, sob qualquer pretexto, melhor que ditadura. Infelizmente é aplaudido por muitos pelos seus ódios, numa relação perigosa que vive o país.

 

Trump e Lacerda
O método adotado por Trump, para governar os Estados Unidos, parece fascinar Bolsonaro. É no mínimo duvidoso confiar em quem olha de baixo para o mandatário da maior nação do mundo. Vai imitar o quê? Está muito distante. Embora tenha ares udenistas de um furor moralista, tal qual Lacerda, é bom dizer que jamais se compara à inteligência do tresloucado opositor dos governos populares. Nem mesmo a vassoura de Jânio lhe servirá de referência. Resta-lhe o simulacro, que o mantém evidente nas pesquisas eleitorais. É candidato forte, sim. Por isso a democracia sofre.

 

Insano
Está difícil imaginar vestígio de dignidade nos comentários ofensivos referentes à publicidade do Boticário anunciando produtos num comercial que reuniu família negra. Mesmo respeitando opiniões contrárias, não se consegue ver alguma sabedoria ou pensamento de grandeza nas críticas. O que surge como ardentia nas relações modernas, que precisam da luz e da compreensão humana com arte e beleza, infelizmente atraiu 17 mil dislikes entre as 85 mil curtidas nas mensagens pela mídia eletrônica. É uma minoria de divergência que coloca em dúvida a importância e valor da mensagem do dia dos pais. Vamos lá! O comercial é agradável, salvo para racistas despidos de qualquer grandeza e sensibilidade humana.

 

Mesa Um
Nesta quinta, a Mesa Um do Oasis reúne a confraria em jantar no Comercial do centro. O Saul Ferreira será anfitrião, como nos informa o fiel escudeiro da tradicional Mesa Um, nosso estimado Aldo Battisti.

Gostou? Compartilhe