Acervo Ney d´Avila

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ney Eduardo Possapp d´Avila, o nosso historiador de escol, depois de longo período de convalescença, que envolveu passagem por hospital e temporada em casa de repouso da cidade, deixou Passo Fundo, para, junto da filha e do neto, que vivem em São Paulo, buscar a recuperação da doença que o acometeu nos últimos meses. Nesse interim, encarregou o acadêmico Júlio Perez para dar o melhor destino ao acervo de livros e documentos que acumulou ao longo da vida. Eis aqui o começo de um périplo que, quem nunca vivenciou, pode imaginar que seja algo fácil. Ledo engano!


Acompanhei de perto, mais como confidente do que colaborador, a luta do Júlio Perez para encontrar uma instituição ou pessoas dispostas a albergar o acervo do historiador Ney d´Avila. Alegações diversas, ainda que todas respeitáveis, frise-se, variavam desde limitações de espaço, falta de pessoal para trabalhar nos documentos ou de tempo para ver o material que estava sendo disponibilizado, etc. e acabavam postergando o desfecho que, com a saída do historiador da cidade, se anunciava trágico.


No domingo passado (28/04/2019), acompanhei Júlio Perez, em visita in loco ao acervo Ney d´Avila. Fomos até a chácara, incrustrada no coração do Bairro São Luiz Gonzaga, onde o historiador, numa casa antiga, em meio a uma mata de eucaliptos, viveu, praticamente, as últimas quatro décadas. Havia uma grande transformação no local. As árvores foram derrubas. A madeira, em boa parte, tinha sido retirada. A casa dava ares de abandono e que fora vandalizada. No seu interior, móveis antigos empilhados e muitos livros e documentos diversos, alguns em péssimo estado de conservação, com sinais claros de ataque de mofos e traças. Mas, eis que, quando estávamos deixando o local, uma camionete com reboque estacionava em frente à casa. Após cumprimentos protocolares, conversamos com o senhor da camionete e ele nos disse que trabalhava para a família do historiador e que com a autorização de um irmão do Ney estava ali para desocupar a casa e levar móveis, livros, etc. Nesse momento, Júlio Perez pediu para falar com o aludido irmão do historiador e, por telefone, disse que estava tratando de dar ao acervo o destino que Ney havia lhe incumbido. Esclarecida a questão, foi acordado que o senhor levaria os móveis e deixaria os livros e os documentos. E assim, por questão de minutos, admitamos, o pior não aconteceu com o acervo do historiador Ney d´Avila.


Essa semana, Júlio Perez voltou ao local. Os livros e os documentos, conforme acordado, ainda estavam lá. Uma parte do material foi levada pelo historiador Fernando Miranda para ser mais bem avaliada no Instituto Histórico de Passo Fundo. O professor José Ernani de Almeida levou outra parcela. O material do professor João Grando, que estava com historiador, foi devolvido ao proprietário. E, para outra parte substancial, Júlio Perez ainda busca melhor destino.


Ney d´Avila faz parte do grupo de elite dos historiadores locais. Incluo no rol daqueles que produziram obras seminais para o entendimento da nossa história. Gente como Francisco Antonino Xavier e Oliveira e os seus Annaes do Município de Passo Fundo; Delma Rosendo Gehm e o seu Passo Fundo Através dos Tempos; Jorge Edethe Cafruni com Passo Fundo das Missões; Pedro Ari Veríssimo da Fonseca e o seu Gaúcho Serrano – Usos e Costumes; Paulo Monteiro com Combates da Revolução Federalista em Passo Fundo e Passo Fundo: História e Cultura; e Fernando Miranda com Passo Fundo – Presentes da Memória e A Morte Não é o Fim – Culturas e Identidades no Cemitério Vera Cruz. De Ney d´Avila, entre outras obras, podemos destacar O Historiador Passo-fundense Antonino Xavier (dissertação e mestrado pela UFSC, 1993), Passo Fundo – Terra de Passagem (1996) e Cabo Neves: fundador da cidade de Passo Fundo (2015).


Vamos torcer para que Ney d´Avila, uma vez com a saúde restabelecida, possa voltar a Passo Fundo e lançar o livro que deixou pronto: Antônio José da Silva Loureiro - Barão de Passo Fundo. Uma obra que acrescenta novos fatos à versão oficial da história do município.

Gostou? Compartilhe