Água e vida

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um dos debates mais sérios para a vida humana marcou encontros de sensatez humana durante a Semana da Água como fonte originária ambiental. Nos conclaves nacionais e internacionais, como acontecido no Amazonas e diversas regiões de referências em recursos hídricos. Na verdade a questão da água é urgência para discussão em todos os lugares do Planeta, dentro das casas, nas ruas, nos mais elevados foros que debatem a nossa sobrevivência. Água está em todos as funções coletivas e econômicas, na qualidade do ar que respiramos, dos alimentos que consumimos, na busca da cura em todos os casos de saúde, enfim, na composição orgânica das pessoas, plantas e animais. As grandes perdas, desastres ou catástrofes, surgem sempre diretamente relacionadas ao mau uso, excessos ou falta de água. Temos falado com lideranças da ciência preservacionista e líderes políticos, sobre o apelo dramático da cidade de Passo Fundo, para salvar seus rios. Uma cidade sem bons índices de tratamento do esgoto, principal poluente dos rios e riachos, é fictícia e caminha para a morbidez coletiva. Defender ardorosamente a vida aquática, alimento e inspiração pedagógica da paz social, é dever cívico indeclinável. A estupidez humana pode ser vencida pelo esforço e fecundidade que nos oferece a própria natureza. A própria explosão tecnológica deve ser repensada com olhar da inteligência benéfica para o homem para redimirmos este atraso imenso na ausência de uma crença nos verdadeiros fundamentos da vida.

 

Linda Brown

Os jornais do mundo mencionam a morte de Linda Brown, a menina que enfrentou o rescaldo da segregação nas escolas dos Estados Unidos. A inconformidade com a proibição de freqüentar escola com os brancos fez com que seu pai lutasse na justiça do Kansas. Em 1954 a Corte Suprema dos EUA reverteu a prática inominável do racismo nas escolas e locais públicos que segregavam os negros. Linda morreu aos 76 anos, como um dos inabaláveis símbolos da vitória da liberdade e igualdade.

 

Fachin ameaçado
Neste momento o Brasil democrático repudia a violência de ameaça à família do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. O magistrado tem julgado etapas processuais importantes no combate à corrupção. Fortes redutos de corruptos de elite, pertencentes a várias correntes partidárias, não aceitam a censura da lei. É mais um foco de violência preocupante para o país.

 

Reforço à calúnia
O assassinato de Marielle Franco, vereadora e líder na defesa dos direitos humanos, ecoa no mundo todo. Ao mesmo tempo sua memória é alvo criminoso de manifestações pelos meios eletrônicos tentando denegrir sua imagem. A jornalista e pesquisadora Sílvia Meroteszohn avalia os danos à verdade histórica. Cita ataques brutais, reptados ou reproduzidos, como o infeliz caso da desembargadora Marília Castro Neves, que ofendeu a memória da líder. A forma pretensiosa da mídia em oferecer antídoto aos Fake News, reproduzindo a defesa nos WhatsApp, lamentavelmente funcionou como reforço do neurocircuito. Isso causou ampliação do ato difamatório. Em princípio os ataques não foram além de 7% das manifestações, segundo a DAPP – Diretoria de Análises de Políticas Públicas da FGV. A modalidade simplista dos esclarecimentos, incluindo citações desmentidas, lamentavelmente, redundou em reforço do malefício.

 

Nações titãs
O mundo que se prepare para os próximos episódios da guerra de dominação entre Estados Unidos, Rússia e China. Os norte-americanos deflagraram a onda nacionalista acintosa, desde a muralha na divisa mexicana até a tributação nas importações. A china vê ameaçada sua penetração nos mercados mundiais, especialmente o frenético abastecimento em centros comerciais do Ocidente. Ao mesmo tempo, voltam os confrontos com a Rússia moderna que avançou no conhecimento tecnológico e bélico. A alta espionagem é assustadora. E não há inocentes nesta escalada. São três potências de dimensão continental, e nenhuma dá sinais de recuo. A guerra que já não é tão fria entre titãs do planeta prenuncia o próximo terremoto econômico que pode abalar principalmente países menores.

Gostou? Compartilhe