Alerta mundial: Microplásticos nos intestinos dos consumidores

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma pesquisa realizada em 2017 pela Orb Media, divulgada recentemente, comprovou a existência de microplásticos na água de torneira em vários países. De 159 amostras coletadas nos cinco continentes, 83% continham plástico. Nesse ano, uma nova coleta apresentou dados mais preocupantes ao identificar a presença de microplásticos em 11 marcas de água engarrafadas adquiridas em nove países. Nas duas situações, o Brasil está envolvido. Depois dessas pesquisas alarmantes, um estudo piloto da Universidade de Medicina de Viena e da Agência Ambiental da Áustria confirmou que partículas microscópicas de plástico estão também no intestino humano. Nessa última pesquisa, foram investigados voluntários de oito países: Finlândia, Áustria, Itália, Polônia, Rússia, Reino Unido, Holanda e Japão. Segundo as pesquisas, foram encontrados policloreto de polivinila (PVC), polipropileno e polietileno tereftalato (PET) e mais seis tipos de plástico no intestino das pessoas, comprovando a gravidade do uso desordenado desses materiais, especialmente em embalagens de leite e sucos e garrafas. Todos os voluntários consumiram algum alimento embalado e pelo menos seis comeram peixe durante o período do teste. Segundo alerta o gastroenterologista Philipp Schwabl, “partículas menores podem também entrar na corrente sanguínea, no sistema linfático e chegar ao fígado”. Em razão desses estudos, o Parlamento Europeu está implementando uma política visando proibir plásticos de uso únicos. O objetivo da Europa é banir a produção desse material até 2021. O Brasil ainda não adotou medidas conclusivas para enfrentamento do problema.

 

Comércio eletrônico em alta
A última pesquisa Top Of Mind, segundo os organizadores da promoção, confirmou uma tendência que já vinha sendo identificada no mercado de consumo: o crescimento do comércio eletrônico. O ecommerce cresceu 12,1% esse ano. Na subcategoria à qual pertence o vencedor do Top of Mind - comércio de produtos novos ou usados - o desempenho foi ainda maior, chegando próximo a 20%. Apesar da crise, a pesquisa constatou que o aumento das vendas decorre do alcance da internet por meio de smartphones e a disponibilidade de ferramentas e aplicativos que facilitam o crescimento do consumo. Os dados também revelam que 66% dos brasileiros tem contato com o comércio eletrônico. Um dos segmentos mais referidos nas plataformas digitais é o aplicativo líder de transporte, um serviço que alavancou o desenvolvimento dessas plataformas. O crescimento do comércio eletrônico também foi identificado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) que confirmou um faturamento de 59,9 bilhões de reais em 2017. Foram mais de 203 milhões de pacotes enviados pelas lojas virtuais brasileiras em 2017. O tíquete médio, no período, alcançou R$ 294, com destaque para as categorias Eletroeletrônicos (R$ 558,20), Óticas e Acessórios (R$ 454,40) e Acessórios Automotivos (R$ 418,20). Em 2018, a Associação anuncia que os números deverão ser ainda mais elevados.


Justiça condena operadora de telefonia
O Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul confirmou a condenação da operadora de telefonia “Vivo” por falta de informação ao consumidor e má-prestação de serviço no município de São Francisco de Paula. A empresa foi condenada a pagar indenização de R$ 200 mil por dano moral coletivo. Também foi determinado que a empresa providencie imediatamente a ampliação do sinal de telefonia celular para

Gostou? Compartilhe