As cores do folclore indígena

Grupo de danças indígenas ?EURoeM?? T? KA?EUR? é confirmado no XIV Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo

Escrito por
,
em
Grupo é da indígena de Votouro, localizada no município gaúcho de Benjamin Constant do Sul

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Menos de dois meses separam Passo Fundo de um dos maiores eventos culturais da região: o Festival Internacional de Folclore, que neste ano acontece de 17 a 25 de agosto. Nas tradicionais estruturas de lona montadas no parque da Gare, povos distantes cultural e geograficamente tornam-se irmãos em nome de um mesmo propósito: espalhar o folclore por meio de manifestações artísticas. Na décima quarta edição, já são cinco países confirmados, de tantos outros que devem ser divulgados em breve: Bolívia, Argentina, Chile, México e Estados Unidos. Entre os grupos brasileiros, até então, Minas Gerais, São Paulo e o Rio Grande do Sul são os Estados que prometem ajudar a colorir a programação.
A atração mais recente a ser divulgada, nesta segunda-feira (18), é o grupo gaúcho de danças indígenas nomeado “MÃ T? KA”. O nome, incomum para quem não é conhecedor da cultura deste povo, significa Árvore Jaboticabeira e serve de homenagem à natureza. A inspiração vem do antigo hábito indígena de, após a ingestão das jaboticabas, fazer a dança em agradecimento à natureza e ao fruto que servia como importante alimento para todos eles.


Da terra indígena de Votouro, localizada no município de Benjamin Constant do Sul, e sob a coordenação de Ademir Brandino, o grupo surgiu através de pesquisas realizadas com as pessoas mais velhas da aldeia para as aulas de Kaingang, devido à nova grade curricular das escolas indígenas. A partir dos relatos e da ajuda dos anciãos, os pesquisadores notaram que a dança Kaingang sempre existiu, mas não vinha sendo preservada, tampouco apresentada. Para lutar contra este esquecimento das tradições, desde então, o grupo vem sendo mantido com a participação dos integrantes que fazem parte dele desde sua criação e, também, de novos integrantes. Crianças, jovens e adultos indígenas formam o grupo a fim de representar a comunidade Kaingang por meio de suas apresentações folclóricas.


De acordo com o presidente do XIV Festival Internacional de Folclore de Passo Fundo, Paulo Dutra, o festival já recebeu em outras oportunidades grupos indígenas do Rio Grande do Sul e da Amazônia, fora aqueles vindos de outros países. Nesta edição, ele adianta que, além do “MÃ T? KA”, outros dois grupos marcarão presença para enaltecer ainda mais o espírito inclusivo do evento e a promoção da paz através do cultivo das raízes dos povos.

Gostou? Compartilhe