Ascensão e queda do frigorífico

De 1950 até 80, os frigoríficos fomentaram o desenvolvimento do bairro São Cristóvão e vila Planaltina. Reportagem especial discute utilização do espaço e preservação da memória, além de retomar a história da empresa

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ivo Francisco Ferrão perpassa as repartições do que sobrou da estrutura do frigorífico Planaltina. Aponta para as seções e descreve como tudo funcionava, com uma memória que parece inabalada. A entrada dos funcionários da indústria era pela Rua Dorvalino Souza, onde também funcionava um comércio de carne. Antes da porta que dava acesso à indústria, mais especificamente ao setor de abate, os trabalhadores batiam o ponto numa pequena repartição. Ao canto, hoje há uma capelinha com alguns tijolos dentro. Antigamente, porém, quando as máquinas funcionavam a todo vapor, ali ficava uma pequena réplica de São José Operário, padroeiro dos trabalhadores. Católico devoto, foi Ferrão quem o levou para o local. Antes de começar o expediente, pedia benção e proteção.

 

 

 

O santo protetor cansou de ver o antigo operário madrugar no frigorífico. “Teve muitos dias em que eu começava às 4h da manhã, era o primeiro a chegar. Ia até às 10 horas da noite”, relembra. Àquele tempo, as indústrias possuíam uma metodologia diferente de trabalho, conforme explica o doutor em ciências sociais, João Carlos Tedesco. “Não havia muito planejamento de oferta. Vamos imaginar que chegaria um caminhão, de Santa Catarina, cheio de porcos. O caminhão não conseguiu chegar antes das 23h. O pessoal que morava próximo das casas operarias ou próximo do frigorífico às 23h tinha que dar um jeito de ir lá solucionar o problema da descarga dos porcos”, descreve. Tedesco, que também é  professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), pesquisou, junto de alunos, sobre a influência dos frigoríficos no desenvolvimento da cidade. Os resultados estão nos livros “Frigoríficos e olarias em Passo Fundo: dinâmicas industriais em sinergias - 1940-1980” e “Agroindústrias, Frigoríficos e Cooperativismo: evoluções e contradições nas lógicas de desenvolvimento de Passo Fundo. 1950-1990”.     

 

Confira a reportagem completa aqui.

 

Gostou? Compartilhe