Bairro recebeu projeto Relendo Passo Fundo 

Projeto de extensão da Universidade de Passo Fundo promoveu atividades que integram as ações do Maio Amarelo

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Bairro Jaboticabal recebeu, no sábado, o projeto “Relendo Passo Fundo”. A atividade reuniu acadêmicos dos cursos de Arquitetura e Psicologia da UPF, alunos e professores da Escola Municipal Fredolino Chimango e moradores do bairro. Foi a 5ª edição do projeto de extensão VivA!emau Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo e do “Projeto UPF e movimentos sociais: desafios das relações étnico-raciais”. De acordo com a coordenadora do projeto VivA!emau, professora Carla Portal Vasconcellos, o evento integra as atividades do Maio Amarelo, movimento que chama a atenção para a conscientização voltada ao trânsito e à cidade. “Buscamos resgatar e valorizar a história do bairro, descobrindo os significados e as relações construídas pelos moradores ao longo do tempo por meio de um percurso urbano guiado pelos alunos”, explicou.

 

A Guarda Municipal de Trânsito acompanhou o evento. Também participaram das atividades acadêmicos do Laboratório de Áudio e Vídeo (Lavau) da UPF, que registraram os momentos por meio de desenhos e fotografias. Durante o percurso, os participantes visitaram alguns locais importantes para a comunidade, como a escola, a igreja, o posto de saúde, o ginásio e a Rua do Vitor, onde crianças e adolescentes jogam taco no bairro. Os espaços foram selecionados antecipadamente pelos alunos da escola, que conversaram com familiares, fazendo o resgate histórico por meio da memória oral dos primeiros moradores do bairro. “Muitas vezes, as pessoas têm preconceito em relação a algumas áreas, fazendo com que os moradores sintam-se estigmatizados. Tivemos o depoimento de uma moradora antiga que é dona do Bar do Osmar e que está há mais de 30 anos no bairro, e foi muito emocionante. Então, acredito que o projeto contribuiu para a valorização da história do bairro e da comunidade, que tem um legado que precisa ser valorizado”, destacou. 


Ainda conforme a professora Carla, o objetivo dos integrantes do projeto é continuar a realizar atividades no bairro. Mais uma edição deve ser realizada neste ano, em outro bairro de Passo Fundo. O evento ainda contou com integrantes de um grupo de grafiteiros que produziram um mural que ficará em exposição na escola. As atividades foram encerradas com apresentações artísticas de hip hop. 

Gostou? Compartilhe