Brasil ame-o e fique

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha e publicada no Jornal Folha de São Paulo, os resultados da pesquisa apontam que se pudessem 62% dos jovens brasileiros iriam embora do país e que 56% dos adultos com nível superior gostariam de deixar o Brasil. O resultado demonstra que 70 milhões de brasileiros com 16 anos ou mais deixariam o Brasil se pudessem segundo a pesquisa do Datafolha. Para entender a dimensão da pesquisa, seria como se a população dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná simplesmente desaparecesse do país.


A pesquisa, feita em todo o Brasil no mês passado, 43% da população adulta manifestou desejo de sair do país. Entre os que têm de 16 a 24 anos, a porcentagem vai a 62%. São 19 milhões de jovens que deixariam o Brasil, o equivalente a toda a população de Minas Gerais.


A falta de esperança com o futuro pode encontrar sintonia com o resultado das eleições suplementares do Tocantins, neste último domingo, onde os “não votos” superaram apoio a candidatos em eleição ao governo do Tocantins. O Governador eleito recebeu 75,1% dos votos válidos contra o segundo colocado com 24,9% dos votos válidos. O “não voto” (soma de brancos, nulos e abstenções) foi de 527.868 votos (51,84%).


Com o objetivo de compreender tanto desalento, com relação ao futuro do Brasil, o Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), elaborado em 2016 com informações de 2015, mostra que o Brasil figura na 22ª colocação em média de anos de escolaridade da população adulta com 25 anos ou mais. Ocupa a 24ª posição quando é avaliado o percentual de alunos matriculados no ensino superior em relação ao grupo populacional entre 18 e 24 anos. Já em relação à expectativa de anos de estudo a partir do momento em que se entra na escola, o país está um pouco melhor: 14º lugar.
Para o Diretor de relações institucionais do Quero Bolsa, plataforma de distribuição de bolsas para alunos de estabelecimentos privados de ensino superior, Marcelo Lima atribui os resultados pífios apresentados nos rankings à falta de investimento adequado no desenvolvimento da educação básica. O país gasta, anualmente, US$ 3,8 mil (R$ 11,7 mil) por aluno no primeiro ciclo do ensino fundamental (até o 5º ano).


Esse é um dos piores índices mundiais, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O cenário é um pouco melhor em relação aos gastos com estudantes universitários. Nesse caso, o Brasil investe US$ 11,7 mil (R$ 36 mil), se aproximando de alguns países europeus, como Portugal e Espanha, com despesas, respectivamente, por aluno, de US$ 11,8 mil e US$ 12,5 mil, e até ultrapassa países como a Polônia (US$ 9,7 mil).


Na avaliação dos gastos com educação em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o Brasil tem posição de destaque, no 7º lugar, à frente de muitos países desenvolvidos, como Alemanha, que investe 4,9% de seu PIB e Japão (3,8%). Cabe destacar, que os países desenvolvidos investem em educação básica 2,5 vezes mais que o Brasil. Para podermos ingressar definitivamente na educação do século 21, faz-se necessário deixar para trás os entulhos do século 20, que é a falta de adequada infraestrutura escolar, efetivar a oferta de escolas com tempo integral, valorizar os professores em todos os aspectos seja no financeiro quanto no reconhecimento da sua relevância bem como trabalhar a interdisciplinaridade dos conteúdos, deixando claras as necessidades relacionadas as habilidades e competências exigidas pelos avanços da Revolução Industrial 4.0.


Ao contrário do que se pregava na década de 70 no século passado, onde o governo pregava “Brasil ame-o ou deixe-o”, precisamos fazer um esforço para que o “Brasil ame-o e fique” seja uma constante na vida dos brasileiros. Lembrar que somos uma República prestes a completar 130 anos com uma constituição que possui 30 anos somente e que as mudanças obedecem os ciclos e as necessidades do seu povo. Conhecer o Brasil de fato, assumir a existência das desigualdades regionais e propor avanços de curto, médio e longo prazo, possibilitando que a população faça parte desse processo é a saída para construir o país do futuro.

Gostou? Compartilhe