Cadastro do bom pagador é automático

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde 2011 o Brasil convive com o chamado cadastro positivo, também conhecido como cadastro do “bom pagador”. Porém, antes da aprovação da lei recentemente sancionada pela Presidência da República, o cadastro era opcional e cabia somente ao consumidor a decisão de autorizar ou não o ingresso do seu nome nesse banco de dados. A partir do novo marco regulatório, a inclusão é automática, sendo que o consumidor que não quiser incluir o seu nome no cadastro deverá formalmente solicitar a exclusão do nome. No seu silêncio, terá o nome incluído na lista. O cadastro poderá ser mantido por bancos de dados públicos ou privados. Serão armazenados dados sobre o comportamento do consumidor em operações quitadas ou em andamento que configurem crédito ou serviços continuados, como cartão de crédito (exemplo: rotativo), financiamentos (como cheque especial), consórcios e contas de luz, água, telefone, dentre outras. Os detalhes sobre os negócios firmados pelos consumidores poderão ser guardados por esses bancos de dados.

 

Cadastro Positivo: dados proibidos

A lei que tornou automática a inclusão de consumdores no cadastro Positivo proíbe, no entanto, a inclusão de “informações excessivas”, ou seja, informações que não estiverem vinculadas à análise de risco de crédito não poderão constar do banco de dados. Também é vedada a introdução de “dados sensíveis”, sobre origem social e étnica, saúde, convicções políticas ou religiosas. Essa é proibição que consta do marco regulador do Banco de Dados aprovado em lei publicada em 2018. Também há proibição de inclusão de informações sobre pagamentos à vista (em dinheiro ou no débito), saldos bancários e aplicações e limites de créditos não utilizados. Outros dados que não podem constar do cadastro são o que foi comprado, nome do estabelecimento ou localização de imóvel financiado. Não está esclarecida ainda a possibilidade ou não de inclusão de dívidas em atraso já quitadas. Para alguns birôs que vão arquivar os dados dos consumidores isso é possível porque a lei permite o armazenamento de informações de até 15 anos. Para os operadores do Direito vinculados à defesa dos consumidores o correto é que sejam cadastradas apenas informações posteriores à vigência da lei. A lei exige que o consumidor seja informado sobre a inclusão do seu nome no cadastro no prazo de 30 dias da abertura dos dados. E os consumidores poderão obter, gratuitamente, informação sobre a pontuação que possuem nesses cadastros.

 

Atraso na entrega de mercadoria

O atraso na entrega do material completo de uma cama hospitalar para o filho de 7 anos, que sofre com paralisia cerebral e múltipla deficiência, resultou na condenação de uma loja a indenizar a consumidora. A decisão foi adotada pelo 6º Juizado Especial Cível de Brasília. A compra foi feita no dia 5 de dezembro de 2018 e a entrega foi prometida para seis dias, mas só ocorreu no dia 29 de dezembro. O valor da indenização foi fixado em R$ 3 mil.

 

Voo cancelado 

Em São Paulo, uma empresa aérea foi condenada a indenizar uma passageira em R$ 12 mil por cancelamento de vôo. O fato gerou um atraso de 29 horas no retorno da passageira de Paris a São Paulo, causando-lhe diversos dissabores e aborrecimentos. Para o Juiz que aplicou a pena indenizatória, além da apreensão que gera o dano moral, “é inconcebível que não seja a empresa capaz de superar qualquer entrave (técnico, mecânico, etc.) nos aeroportos em que opera”.

 

Júlio é advogado, Especialista em Processo Civil e em Direito Constitucional, Mestre em Direito, Desenvolvimento e Cidadania.

Gostou? Compartilhe