Câmara debate mudança do feriado do aniversário da cidade

Projeto quer alterar o feriado de 8 de dezembro para 7 de agosto

Escrito por
,
em
Historiador Welci Nascimento pondera que não há necessidade de mudar o feriado

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A proposta do vereador Ronaldo Rosa, SDD, que pretende mudar o feriado de comemoração do Dia do Município do dia 8 de dezembro para 7 de agosto, foi debatida quarta-feira à noite em audiência pública na Câmara de Vereadores. Realizada pela Comissão de Constituição e Justiça, presidida pelo vereador Patric Cavalcanti, DEM, a audiência ouviu opiniões de representantes de entidades de classe e de associações de bairros, empresários e comerciários e dos próprios vereadores. A discussão, viabilizada pelas comissões permanentes, foi focada em identificar quais são os impactos da modificação.


Patric destacou ser importante que a comunidade se envolva no debate para nortear as ações dos parlamentares. “Esse é um espaço de debate, que permite que os vereadores saibam o que pensam os cidadãos”, avaliou. O autor da iniciativa para alternar o feriado, Ronaldo Rosa (SD), disse que o projeto foi protocolado para valorizar a data de aniversário de Passo Fundo, reconhecida em 7 de agosto. O parlamentar também aponta que o feriado em 8 de dezembro pode impactar em prejuízos econômicos ao comércio. “É uma proposta que leva em consideração esses dois pontos e não tem a intenção de fazer discussões religiosas”, ponderou.


Algumas pessoas presentes no encontro concordam com o posicionamento do vereador. Conforme o historiador Adelar, grande parte dos municípios tem as celebrações em sua data de instalação. Ele também menciona que o Estado deve exercer a laicidade e um feriado que é para todas as pessoas não deve ter interferência religiosa. “Neste caso, temos a interferência de uma instituição particular na vida pública. Somos uma sociedade múltipla e, portanto, sou a favor que o feriado aconteça em agosto”, salientou.


Apesar do apoio ao projeto, para a maioria das pessoas que participaram do encontro, embora o feriado não aconteça na data de instalação de Passo Fundo, ele também marca a história do município, uma vez que Nossa Senhora da Conceição é considerada a padroeira do município, formado por uma população majoritariamente católica. “Acho que há um equívoco em celebrar Passo Fundo em sete de agosto. O município foi criado no dia 28 de janeiro. Se fosse um projeto de mudança para essa data, até teria sentido em se tratando de reverenciar a criação dele”, acrescentou o professor e membro da Academia Passo-fundense de Letras Welci Nascimento.


Quanto aos reflexos para o comércio, as opiniões de empresários e comerciários foi dividida. Para a dona de uma loja de roupas, que representou a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Janie Casanova da Silva, dezembro é o mês em que as lojas ampliam as metas de venda e a realização do feriado as prejudica economicamente. “Nós temos de defender o mês, que é importante para todo o comércio”, comentou.


Já o presidente do Sindicato dos Comerciários, Tarciel da Silva, explanou que existe uma convenção da categoria que opta pela manutenção dos expedientes no dia 8 de dezembro, mesmo com feriado. “Todo o comércio abre e mais: acreditamos que aumentam as vendas, pois as pessoas que estão em casa saem e acabam indo nas lojas”, reforçou.


Após o debate público, os vereadores também opinaram sobre a data. Patric Cavalcanti, Alex Necker (PCdoB), Luiz Miguel Scheis (PDT), Eloí Costa (MDB) e Mateus Wesp (PSDB) utilizaram a tribuna. Enquanto Alex assinalou que, para apreciar o projeto, refletirá sobre a discussão ocorrida durante a audiência, Luiz Miguel, Patric, Eloí e Wesp manifestaram apoio à manutenção do feriado em dezembro. “O Estado é laico, mas é impossível negarmos que as pessoas têm identidades religiosas, identidades que constroem os municípios, pois, como já dito aqui, as cidades são feitas pelas pessoas”, articulou.


O Projeto de Lei que dispõe sobre a mudança foi protocolado em março deste ano e está sob avaliação da CCJ.

Gostou? Compartilhe