Conversando sobre cidadania e administração pública

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A partir de hoje, neste espaço, todas as segundas-feiras, trataremos de temas relacionados com a atuação da administração pública e as circunstâncias que envolvem a nossa condição de cidadão, lembrando que a cidadania nos oferece direitos e nos impõe deveres. Ser cidadão, sob essa lógica, é reivindicar e recepcionar garantias fundamentais para que a vida aconteça com dignidade e cumprir deveres que contribuam para ordenamento comum e para convívio em sociedade.

 

Uma das premissas para que a cidadania tenha consistência é a lei. Por isso a Constituição do Brasil indica, primeiro, que podemos fazer o que quisermos, menos o que a lei proíbe; segundo, que o governo, pelos seus poderes legislativo, executivo e judiciário, só pode fazer o que lei permite. Então, quanto melhor for a lei, mais cidadãos seremos e mais eficiência a administração pública alcançará.

 

O problema, contudo, é que o Brasil está atrasado no aprendizado legislativo. Temos leis que cumprem sua função e que nos entregam considerável cidadania, como a lei do idoso, da criança e do adolescente, de proteção contra a violência doméstica, e outras que geram tutela para direitos que nos são fundamentais, mas essas leis não compõem a regra geral. Ao contrário, a maior parte das leis produzidas em nosso país – e estima-se que tenhamos, hoje, mais de 80 mil leis em vigor - são elaboradas de forma apressada, com redação imprecisa e obscura e raramente examinadas em sua forma e conteúdo, a fim de confirmar sua necessidade, a eficiência de estratégia de sua implementação e efetividade de sua eficácia.

 

Dois sintomas desse déficit de qualidade legislativa são sentidos em nossa cidadania: o número de leis declaradas inconstitucionais e a busca do Judiciário para suprir conflitos e omissões decorrentes de imprecisão e de lacunas de lei.

 

O Brasil é o país democrático com o maior número de leis declaradas inconstitucionais. Apenas no STF, considerando as leis estaduais e federais, de 1988 a 2008, foram propostas 3994 ações de inconstitucionalidade. Em 2017, segundo o Anuário da Justiça, de cada 10 leis 8 foram declaradas inconstitucionais. Na condição de cidadãos, como ficamos diante dessa situação? E a instabilidade que isso gera para as nossas instituições e para o funcionamento orgânico da sociedade?

 

A busca do Judiciário “para tudo” é outra evidência da precariedade das leis que produzimos. O documento Justiça em Números 2017 (Ano-Base 2016), produzido pelo CNJ, relata o reflexo dessa imaturidade legislativa em sua funcionalidade, apontando altas taxas de congestionamento processual e a imposição de elevada e desproporcional carga de produtividade aos magistrados e servidores, ampliando o tempo de entrega da sentença.

 

O desafio, portanto, é recuperar esse déficit legislativo e consolidar a cultura da boa lei, não sob a ótica da quantidade de normas, mas evitando que leis inúteis, demagógicas e sem justificativa social se somem ao nosso sistema de normas. É importante que o processo de elaboração de uma lei seja amadurecido, seja fértil no debate social sobre sua repercussão e sólido na sua articulação técnica. Ter mais cidadania passa necessariamente por ter boas leis.

 

 André Leandro Barbi de Souza  

 

Gostou? Compartilhe