Dr. Anunciação & Mr. Cunha

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma das obras mais conhecidas de Robert Louis Stevenson (1850-1894), o habilidoso contador de histórias e grande mestre da literatura universal que se destacou por retratar, como poucos, a dualidade da natureza humana, é o romance o “Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde” (O estranho caso do Dr Jekyll e do Sr. Hyde), de 1886, que, em algumas edições brasileiras e nas versões cinematográficas, recebeu o sugestivo título de “O médico e o monstro”. Pois, foi travestindo-se de Robert Louis Stevenson, que a equipe da redação de O NACIONAL, na edição do último final de semana (21 e 22 de abril de 2018), ao manter o espelho da página 4 do dia anterior (20 de abril de 2018) e trocar conteúdo, mas não a assinatura do colunista, conseguiu, tal qual a poção que transformava o Dr. Henry Jekyll no abominável Sr. Edward Hyde, transmutar o Dr. Jorge Anunciação no Sr. Gilberto Cunha.


A coluna que NÃO escrevi e cujo engano foi desfeito na edição de O NACIONAL da última terça-feira (24/04/2018), se chamava “Viracopos”. Na primeira percepção, ao me deparar, na manhã e sábado, com o equívoco de diagramação, foi de que não havia dúvida que aquele texto tinha o traço inconfundível da lavra do Dr. Jorge Anunciação e não do Sr. Gilberto Cunha. Qualquer leitor, facilmente, perceberia isso. Mas, não foi o que aconteceu. Recebi, pessoalmente, por e-mail e pelo WhatsApp, mensagens de congratulações e críticas também, pela aludida coluna. Coisas como: “finalmente aprendeu a escrever um texto inteligível”, “texto corajoso e arrojado e que efetivamente contribui para a aldeia”, “tu sabes que receberás pedradas dos teus amigos burgueses da sociedade passo-fundense”, “todos deveriam ler para tomar consciência que a cidade não está querendo progredir”, “belíssimo texto. Tomara Deus que tenha reflexos nessa sociedade retrógrada de Passo Fundo”, “após ler sua coluna de hoje no Jornal O Nacional, gostaria de parabenizá-lo pelo excelente comentário que nos trouxe a memória da história de Passo Fundo”, e por aí afora, além do elogio e incentivo à leitura do texto, no domingo pela manhã, no programa Cotações e Mercado, pela rádio Uirapuru.
Nesse ponto eu me ponho a parafrasear Lupicínio Rodrigues: “Eu agradeço estas homenagens que vocês me fazem/Pelas bobagens e coisas bonitas que dizem que eu fiz/Receber os presentes, isto eu não tenho coragem/Vão entregá-los a quem de direito deve ser feliz”. Nesse caso, é o que faço agora, direcionando-os ao Dr. Jorge Anunciação.


Entre o Dr. Anunciação e o Sr. Cunha, há coisas comuns e diferenças perceptíveis. Anunciação e Cunha regulam na idade (ao redor de 60 anos). Ambos não são de Passo Fundo e escolheram essa cidade para viver, constituir família e, talvez, morrer. O Dr. Anunciação nasceu em Cruz Alta e veio para cá criança, trazido pelos pais. O Sr. Cunha, natural de Porto Alegre, chegou aqui adulto, em 1989, motivado por um edital de emprego, e nunca mais saiu. O Dr. Anunciação queria ser engenheiro florestal pela UFSM e virou médico pela UPF. O Sr. Cunha queria ser físico nuclear e virou engenheiro-agrônomo pela UFRGS. O Dr. Anunciação, assumidamente, professa a filosofia da doutrina Espirita. O Sr. Cunha, apesar de ter optado por Darwin na disputa com o Criador, mantem-se respeitoso para com os costumes e rituais da Igreja Católica. O Dr. Anunciação, acima de tudo, em sua coluna, é um teclador de emoções e cronista da memória afetiva local, e o Sr. Cunha, na dele, um analista racional de ideias de outros. Todavia, há indícios que compartilham as mesmas preferências literária, não sendo raras citações dos mesmos autores e títulos de livros.
Por fim, cabe dizer que a obra de Stevenson tem sido levada às telas dos cinemas, sem observar que, idealmente, os dois personagens seriam mais bem representados se usados atores distintos, para que, no final, sobrevenha a surpresa da descoberta que o Dr. Jekyll é o Sr. Hyde. Nesse caso, a equipe de ONACIONAL inovou, ao revelar que, na coluna Viracopos, o Sr. Cunha, da edição de sábado (21 e 22 de abril de 2018), era o Dr. Anunciação.

Gostou? Compartilhe