E então, Moro... E a lei de crime de abuso de autoridade?

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora o seu processo legislativo tenha sofrido uma interrupção, com encerramento da fase de instrução e ingresso imediato na fase de deliberação, em razão da determinação de urgência, o Projeto de Lei nº 7.596-A, de 2017, que trata sobre crimes de abuso de autoridade, foi encaminhado pelo Presidente da Câmara dos Deputados ao Presidente da República para sanção (ou veto). Sanção é quando o Presidente da República concorda com o projeto aprovado no Congresso e veto e quando o Presidente discorda. O veto pode ser total ou de parte do projeto de lei e deve estar acompanhado de motivos que o justifiquem.

 

Não é exagero afirmar que a presença de Moro no governo de Bolsonaro passa pela decisão que será tomada pela Presidência da República sobre o veto ao projeto de lei que trata de crime contra abuso de autoridade. O ministro Moro já expôs, em parecer do Ministério da Justiça, elaborado e divulgado ainda quando o projeto tramitava no Congresso Nacional, que é contra vários dispositivos da matéria. Se a posição de Moro for considerada pela Presidência da República, haverá um claro sinal de que ele ainda dispõe de prestígio. Mas, se a posição de Moro for desconsiderada, o aceno será inverso.

 

Sobre “prestígio”, aliás, percebe-se que Bolsonaro não está nem um pouco constrangido em adotar medidas que afastam de Moro algumas competências, como é o caso da Medida Provisória assinada esta semana, com força de lei, que retira do Ministério da Justiça e passa para o Ministério da Economia o COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), que, inclusive, deixa de ser COAF e passa a ser Unidade de Inteligência Financeira, com mais autonomia técnica e operacional, porém mais suscetível à interferência política.

 

Neste ponto, vale um parênteses: no jogo político, Moro está coletando várias derrotas, não só dentro do governo, com a desconstrução de estruturas estrategicamente articuladas por ele, envolvendo até reversão de indicações de nomes de sua confiança para cargos de sua alçada, mas também no Congresso Nacional, com a desidratação do projeto de lei que trata do pacote “anticrime”, e no Supremo Tribunal Federal, com decisões que atingiram diretamente o Ministério da Justiça, como foram os casos da que proibiu a destruição de gravações obtidas por hacker (episódio do The Intercept Brasil) e da que suspendeu a transferência de Lula de Curitiba para o presídio de Tremembé, no interior paulista.

 

Parte dessas derrotas pode ser colocada na conta da inexperiência de Moro junto ao Poder Executivo e às relações com os Poderes Legislativo e Judiciário, mas uma outra parte dessas derrotas também é resultado de articulações criadas por políticos experientes envolvendo os três Poderes e que provocam movimentações que induzem Bolsonaro não só a não reagir, a favor de seu ministro, como a agir de forma a atender aquilo que lhe é (sedutora e convenientemente) oferecido.

 

A questão é que o episódio que envolve a formalização (ou não) de veto a alguns dispositivos do projeto de lei que trata de crime por abuso de autoridade (Projeto de Lei nº 7.596-A ) será um marcador na trajetória do ministro Moro, indicando se ele seguirá o propósito que o levou a sair da magistratura, permanecendo no Ministério com o respaldo da Presidência; se ele será desligado por Bolsonaro, em razão de sua presença, no Ministério da Justiça, não ser “assim” tão mais importante; ou se ele, Moro, por iniciativa própria, pedirá para sair, por entender que o Governo não mais lhe dá suporte e o acompanha em suas pretensões.

 


André Leandro Barbi de Souza
Sócio-diretor do IGAM, advogado com especialização em direito político, sócio do escritório Brack e Barbi Advogados Associados

Gostou? Compartilhe