Eleições Presidenciais: cenário ainda indefinido

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A sucessão presidencial entra em julho com um grau de imprevisibilidade ainda bastante elevado. Em meio à pulverização de pré-candidatos, cinco nomes são mais competitivos: Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (REDE), Geraldo Alckmin (PSDB) e o candidato do PT, provavelmente Fernando Haddad.


Como nas eleições deste ano não haverá financiamento empresarial de campanha, a estrutura partidária, os palanques estaduais, o tempo de TV e o controle da máquina administrativa terão um peso maior que o habitual. Quem dispuser de tais recursos não significa que vencerá a eleição, e sim que terá instrumentos essenciais para definir um pleito que promete ser o mais disputado desde 1989. Nesse sentido, nomes como Ciro, Alckmin e Haddad têm um bom espaço de crescimento. Além do crescimento do PDT nas eleições municipais de 2016, Ciro parte de uma sólida base eleitoral: o Ceará, segundo maior colégio da Região Nordeste.
Alckmin, mesmo começando nas pesquisas de intenção de voto com um patamar abaixo dos 10%, controla o PSDB, legenda bem estruturada em todo o país. Alckmin é forte em São Paulo, maior colégio eleitoral, Estado em que se elegeu governador quatro vezes. Haddad, ainda que largue com cerca de 1% a 2%, conta com a força do lulismo. Segundo as pesquisas, o apoio de Lula levaria 30% do eleitorado a votar “com certeza” no candidato apoiado pelo ex-presidente. Ou seja, há espaço para Haddad sonhar com o segundo turno.


Bolsonaro e Marina, que hoje lideram as pesquisas nos cenários em que o ex-presidente Lula não aparece como candidato, carecem de estrutura partidária, de palanques e de tempo de TV. Contudo, por conseguirem “surfar” na onda da “antipolítica”, são atores que podem surpreender por conta da excepcionalidade do cenário deste ano. A fraca estrutura de tempo de TV de Bolsonaro e Marina pode ser compensada com a utilização eficiente das redes sociais, principalmente se tiverem uma estratégia eficaz de comunicação por meio de WhatsApp, Facebook, Instagram, Twitter e Youtube.


As pesquisas mostram que, neste momento, o eleitorado das regiões Norte e Nordeste, onde se concentra a força do lulismo, segue Lula no cenário em que ele aparece como candidato. Ou então se divide entre seus herdeiros (Ciro, Marina e PT) nas simulações em que o nome do ex-presidente não consta da lista de alternativas.Por outro lado, as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste hoje se dividem entre Bolsonaro e Alckmin. Bolsonaro hoje tem uma vantagem, mas, nas três regiões, o PSDB possui uma estrutura partidária consolidada.


Fora isso, o provável tempo de TV que Alckmin terá tende a permitir o crescimento do ex- governador de São Paulo, em especial a partir de agosto, com o horário eleitoral gratuito. No tabuleiro sucessório, siglas como PSB, PCdoB, DEM, PP, PR, PTB, SD, PRB, PSD e PPS terão um papel importante. Ex-aliados históricos do PT, tanto o PSB quanto o PCdoB estão mais próximos hoje de apoiar Ciro, embora haja também a possibilidade de apoio a Haddad.


A incógnita é sobre o destino de DEM, PP, SD e PRB, que podem vir a apoiar um nome em bloco, em função de sua unidade em torno da pré-candidatura de Rodrigo Maia (DEM). Esses quatro importantes de partidos tendem a ficar com Alckmin. Ciro é uma segunda opção. Alckmin ou Ciro também deve ser o destino do PR, principalmente depois que o senador Magno Malta (PR) desistiu de ser o vice de Bolsonaro.


Apesar do desgaste pelo qual passa o governo Michel Temer, o MDB terá novamente peso na sucessão, sobretudo pela força regional da sigla. Henrique Meirelles ainda luta internamente para concorrer pelo partido, mas a maioria dos emedebistas está inclinada a não apresentar candidato próprio nem fazer parte de coligação. A opção preferencial é dar liberdade aos diretórios estaduais na questão do apoio.O caminho a ser tomado pelo centro será significativo nos rumos da sucessão. Mesmo que Alckmin seja o nome com maior potencial nesse campo, a desconfiança em relação a ele continua elevada, dentro e fora do PSDB. Até mesmo um “plano B”, como o apoio a Marina ou a Álvaro Dias (PODEMOS), é especulado, em função do enfraquecimento do centro nesta pré-campanha.


A capacidade de articulação do centro vai acabar mostrando se será possível viabilizar um candidato com uma agenda reformista e modificar o cenário de hoje, em que os indignados com a política tradicional se alinham a Bolsonaro, e os lulistas se dividem entre Ciro, Marina e PT. Enquanto as indefinições das eleições de 2018 permanecerem, o ano de 2018 está praticamente perdido e o ano de 2019 será uma incógnita. Precisa-se de líderes e de um grande projeto nacional capaz de unir o país. Somente será possível sair dessa crise se resolvermos a política, fora disso é mais do mesmo.

Gostou? Compartilhe