Embaixada bolsonarista

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Provavelmente o presidente Bolsonaro concretize o desejo de nomear seu filho para o cargo de embaixador nos EUA. A possibilidade de recuo, ponderada pelo presidente ante a eventualidade de não conseguir aprovação para Eduardo Bolsonaro no Senado, é mera estratégia. Pai e filho querem, sim! E vão impor a aprovação inusitada. Além disso, a própria oposição deve avaliar o episódio de nepotismo (legalmente discutível), e entender que é mais um ato discricionário que logo será esquecido. Não será erigido como bandeira oposicionista. Ademais, toda a família ama os Estados Unidos, e ponto. É situação nítida em que o empenho presidencial aparece no poder da coisa pública em função de interesse privado.

 

Desmatamento

O rumo perigoso do governo federal infelizmente é aceno em favor de segmentos já privilegiados. Aqui se explica que Bolsonaro mostra que quer governar para grupos de apoio, como se estivesse em campanha eleitoral. Cita-se o argumento econômico para desconhecer que estamos arrasando nossas reservas florestais. Não é admissível que se justifique a ausência de nossa vigilância das margens de rios e matas de reserva, sem ouvir alertas, só porque alguns países matam baleias, como a Noruega. Não serve também a justificativa de que a Alemanha, como toda a Europa, destruiu suas matas. E agora vem recuperando rios e vegetação. Nesta visão caolha não podemos esquecer o pequeno produtor e a cultura extrativista dos que respeitam a mata, que nutre nossas nascentes.

 


Matança na favela
Ao longo da história houve sempre quem se ufanasse com a política de extermínio, como Carlos Lacerda no Estado da Guanabara. O governador do Rio, Wilson Witzel, lança sua ira contra os direitos humanos numa crítica esdrúxula, dizendo que estes protegem criminosos. Enquanto isso um levantamento indica que a polícia matou 881 pessoas no primeiro semestre, em áreas de combate ao tráfico de drogas. As mortes não ocorreram em áreas de milícias. A política do “abate” é defendida pelo governador. Não se pergunta, nestes casos, quantos inocentes são alvejados, feridos ou mortos. No caso dos reféns da ponte Rio-Niterói, chamou atenção a euforia exagerada do governador, diante de um desfecho em que todos reconhecem a eficiência do atirador de elite, ao tombar o agressor que ameaçava a tripulação do ônibus invadido. As autoridades sabem que é diferente em relação ao extermínio praticado em operações equivocadas ou fragorosamente arbitrárias. A regra do “abate” atinge pobres, especialmente negros. Na Assembleia Legislativa carioca alojam-se protagonistas do crime organizado. Ali, ou no crime das milícias, essa ordem de matar não vigora. Afinal, ali não existe pobreza. Não se pode negar o direito e dever policial de revidar ataque armado. Mas são em demasia as mortes por bala perdida ou alvos errados, por engano, ou prepotência.

 

Meirelles Duarte
O falecimento do radialista, jornalista e advogado Antônio Augusto Meirelles Duarte, deixa enorme vazio nos espaços de comunicação. Ficam suas obras em dezenas de anos sem trégua nos ares das emissoras de rádio e TV, além dos registros em milhares de crônicas escritas. Inexcedível na participação em momentos mais importantes da comunidade foi o maior vulto de nossa comunicação. Meirelles compôs uma obra completa, repleta de voluntarismo. Foi a grande referência que guardo desde minha adolescência pela sua voz inconfundível que estimulou muitos profissionais. Foi persistente até os últimos dias de sua vida que devotou à comunidade. Temos orgulho da vida do Meirelles, homem de bem de enorme talento. Nossa solidariedade aos familiares desta figura tão estimada.

 

Meia Tarde
Nas edições que compõem a trilogia literária “Meia Tarde na Lagoa” redobra as emoções reservadas à vida tumultuada de seu personagem. Jorge Alberto Salton raciona paisagens, idílios e lirismo com extrema precisão. Alia às letras a exuberante contribuição nas fotos de Paulo Fernando Bertagnolli. Jorge mostra que tem muitas riquezas a revelar nos seus enredos. Leva o leitor a uma viagem imaginária a regiões importantes do mundo.

 

Gostou? Compartilhe