Equipe recebe capacitação 

Espaço disponibiliza mensalmente 560 pernoites, 1.500 refeições e 650 atendimentos

Escrito por
,
em
Equipe da Casa de Passagem Madre Teresa de Calcutá trabalha com usuários em situação de rua

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Referência para pessoas em situação de rua com vínculos rompidos ou fragilizados e para aqueles que estão de passagem pela cidade, o espaço disponibiliza mensalmente 560 pernoites, 1.500 refeições e 650 atendimentos, entre encaminhamentos, refeições sem pernoite ou atendimento técnico, sendo referência para o acolhimento de quem precisa do serviço.  A equipe da Casa de Passagem Madre Teresa de Calcutá – o antigo Albergue Municipal – mantida pela Prefeitura de Passo Fundo, trabalha com usuários em situação de rua e de passagem pelo município. Mais do que oferecer um local para o pernoite, banho e alimentação, o objetivo é proporcionar acolhida e um bom atendimento. Com este propósito, a equipe realizou uma capacitação para adquirir conhecimento do funcionamento do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e das Proteções Afiançadas, sendo a Proteção Social Básica e a Proteção Social Especial. 

 

Foi trabalhado, principalmente, sobre o serviço executado na Casa de Passagem e o público atendido, em situações que exigem persistência, paciência e resiliência para mediar situações rotineiras, além de realizar encaminhamentos em busca de superação das fragilidades, resgate de vínculos e inserção nos programas de acesso. 

 

“Todo o processo de conhecimento e capacitação é de extrema importância pois tem o objetivo de preparar as equipes dos serviços para atender as pessoas que utilizam os serviços que o município oferece de forma acolhedora. Também busca trabalhar com o que está previsto nos atendimentos da assistência social, que é o acesso aos direitos, respeitando as especificidades de cada pessoa e sua condição. Esses momentos dão segurança ao trabalhador, mais qualidade ao serviço e melhor cuidado com as pessoas que atendemos”, disse a secretária adjunta de Cidadania e Assistência Social, Elenir Chapuis.

Gostou? Compartilhe