?EURoeBendito o que vem em nome do Senhor!?EUR?

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As celebrações do Domingo de Ramos dão início a Semana Santa e a liturgia católica introduz os fiéis ao estudo, à meditação e à celebração do tríduo pascal: paixão, morte e ressurreição. Não é uma mera biografia de Jesus Cristo ou uma aula de história ou uma história dramática para suscitar comoção sentimental. É, sim, uma narração destinada aos fiéis sobre os primeiros e fundamentais artigos da fé cristã. Revela a identidade e a presença salvífica de Deus na história do mundo, tornando-a história da salvação. O oficial do exército romano, quando viu Jesus expirar na cruz disse: “Na verdade, este homem era Filho de Deus” (Marcos 15,39).


A narração da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo é repleta de paradoxos. Temos palavras e atitudes de misericórdia, perdão, doação e por outro lado agressão, condenação, manipulação de pessoas, intolerância. Diante da variedade de temas, a presente reflexão pretende ressaltar elementos relacionados com o tema da Campanha da Fraternidade 2018: “Fraternidade e superação da violência”. Nunca é demais falar deste tema, pois o nosso referencial absoluto de superação da violência é Jesus Cristo. Se as narrações bíblicas lidas e meditadas na Semana Santa revelam a maior violência já feita contra um inocente, por outro lado a vítima ensina a superação da violência.


A Semana Santa começa com a narrativa da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Ela faz pensar, pois expõe um contraste entre a mentalidade humana e divina sobre autoridade e poder. Na história da humanidade, quanto mais poderoso foi e é um governante mais ostenta este poder com aparatos de ostentação. Em tempos de conflito, faz-se questão de mostrar a força bélica para justificar o poder de defesa e de destruição de um possível inimigo. Diz o evangelista Marcos que Jesus entra na cidade montado num jumentinho, com as pessoas próximas e elas fazendo um tapete com ramos verdes. Em vez de gritos de guerra, espadas em punho escutam-se gritos de aclamação: “Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito seja o reino que vem...” (Marcos 11,9-10). Não se questiona a necessidade de o país ter forças armadas e policiais, mas se questiona se confiar na força e no poder destruidor seja o melhor caminho de superação da violência.


O apóstolo São Paulo, escrevendo aos cristãos da cidade de Filipos, não narra, mas interpreta os acontecimentos pascais desta maneira. “Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo Jesus! Ele, estando na forma de Deus não usou de seu direito de ser tratado como um deus, mas se despojou, tomando a forma de escravo. Tornando-se semelhante aos homens e reconhecido em seu aspecto como homem abaixou-se, tornando-se obediente até a morte, à morte sobre uma cruz” (Fl 2,5-8).


Se esta foi a opção de Jesus Cristo, os seus seguidores precisam cultivar os mesmos sentimentos e as mesmas atitudes. Certamente, a mentalidade corrente distanciava o mundo divino na sua perfeição do mundo humano imperfeito. São Paulo ressalta que este mundo imperfeito foi abraçado plenamente pelo divino, quando Cristo assume a condição humana, inclusive a morte humilhante de cruz. Esta metodologia divina revela que uma situação dramática de violência só pode ser mudada se for assumida, reconhecida e abraçada a tal ponto que, quem deseja a mudança, participe na carne do mesmo sofrimento de todas as vítimas.

Gostou? Compartilhe