Falta de autoridade

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O combate policialesco à corrupção, num momento que acaba de chegar às elites políticas e grandes empresas envolvidas, ainda é o impulso vivo para aplacar a justa ira no sentimento popular. A Lava Jato não pode ficar presa à figura de Moro. Esta e outras ações de investigação do crime contra o patrimônio público precisam ser revigoradas todos os dias, e que isso se dê o mais independentemente possível dos ódios eleitorais. Lamentavelmente a condenação e prisão de Lula defasou o ímpeto esperado do combate. Há muita sujeira debaixo do tapete a ser varrida. O governo Bolsonaro, que venceu as eleições democráticas parece satisfeito e corre o risco de pouco contribuir para a complementação da tarefa. Está gastando tempo em elucubrações esdrúxulas que não confirmam a esperada efetividade de gestão. O próprio presidente divagou solenemente em equivocadas iniciativas perdendo pulso. Mais recentemente sofre desgaste pelos disparates de seu guru Olavo de Carvalho que ofende pusilânime o prestigiado general Villas Bôas. Ao mesmo tempo o presidente apoia os filhos na maratona ao estilo “chaines de garde”, sempre exigindo alguma explicação do Planalto. Agora anda à cata de um lugar nos Estados Unidos, onde possa receber homenagens sem a contestação de seus críticos internacionais. Coisas de autoridade mesmo que se espera de um presidente, ainda não. Há tempo para resolver isso, mas a credibilidade apregoada rumo ao desenvolvimento social, frente à violência brutal do desemprego no país exige muito mais.

 

Coaf
A comissão parlamentar que analisa a Medida Provisória sobre a vinculação do Coaf – Conselho de Controle sobre Atividades Financeiras, ao Ministério da Justiça apresentou estranha oposição. Na verdade é o famigerado centrão que fala, e mostra o que quer. Primeiro, a discordância visando afastar do ministro Moro o instrumento de investigação. É óbvio que investigar a corrupção pelo crime organizado depende de informações sobre o dinheiro. As monstruosidades apontadas na operação Zelotes mostram a situação. Os caminhos do dinheiro irregular são também do crime. A fome do ouro é insaciável. Os indícios são de que envolvidos em denúncias preferem o Coaf fora do Ministério da Justiça, em nome do sigilo. Os partidos aproveitam para negociar dois ministérios que serão criados por Bolsonaro. As barganhas continuam; nada de novo. Aliás, tudo de novo!

 

E a oposição
A opinião pública em geral tem prestado serviço ao governo, como o caso da queda do ministro da Educação. Partidos de oposição colaboraram. Na reforma da Previdência a oposição está fraca. Perde-se entre abraços ao corporativismo. Parece não assimilar investidas temerárias que desconstituem lutas históricas, especialmente a causa trabalhista, a cultura, educação e saúde pública. Os espaços de mídia eletrônica insistem em críticas menores e gastam energia até para contabilizar solecismos nas manifestações dos atuais gestores. A tempestade que seria útil aparece em lugar secundário.

 

Supremo perdulário
A compra com dinheiro público de produtos requintados, entre lagostas e vinhos de marcas importadas, pelo STF, apresenta-se como afronta ao grave momento que afeta o povo. Talvez surja explicação para isso. É difícil julgar o fato visto como comum pela alta corte judiciária. Bem que diziam os romanos antigos “quod licet Jovi non licet bovi” (o que se permite aos deuses não é permitido aos bois). É legal, mas de caráter perdulário, salvo melhor juízo!


Arrecadação
A queda vertiginosa na arrecadação da União é respondida a cada momento por cortes no orçamente. Na estratégia o governo chama a redução de contingenciamento. Desemprego e queda de salário mata o ciclo econômico e não mantém arrecadação.


Trânsito
Por curiosidade percebe-se que a palavra “arma”, grafada pelo grego antigo, tem o significa de carro. Sem recorrer a qualquer vaticínio, persiste o alerta para o cenário permanentemente perigoso do trânsito. Os números de acidentes são assustadores nas estradas.

Gostou? Compartilhe