OPINIÃO

Fatos 02.11.2018

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Jogada de mestre

A coluna ouviu algumas fontes sobre a confirmação de que o Juiz Sérgio Moro será o próximo Ministro da Justiça. Assim como no cenário nacional, há divisão sobre esta decisão, em Passo Fundo não poderia ser diferente, “Foi uma jogada de mestre levar o juiz federal Sérgio Moro para o superministério da Justiça”, diz o professor e historiador Antônio Kurtz Amantino, para quem o presidente eleito Jair Bolsonaro está demonstrando habilidade neste início da formação do governo. Em que pesem as reações contrárias, segundo ele, grande parte da opinião pública aplaude a decisão porque está cansada de ver tanta corrupção e Bolsonaro, “um homem tão malfalado, soube interpretar o espírito do tempo. A sociedade nao aguentava mais a polarização”. Para o professor, se a esquerda do Brasil não se modernizar e continuar com um discurso do século XIX, vai colecionar derrotas.

Técnico e não político

Cauteloso, o advogado Dárcio Vieira acredita que a Operação Lava Jato perde com a saída do Moro da Jurisdição da 13ª Vara Federal de Curitiba e que no sistema Presidencialista o cargo de ministro exige habilidade política. “Moro é um técnico da mais alta qualificação. Talvez ele não se sinta tão confortável num cargo político”, analisa. Dárcio acredita, no entanto, que a passagem pelo Ministério seja uma ponte para o STF a partir de 2019, quando o ministro Celso de Mello deve se aposentar.

Constrangimento

O professor da Faculdade de Direito da UPF, Alcindo Roque, acredita que, nas relações entre operadores do direito a aceitação vai criar constrangimentos e alimentar o discurso de que ele não se conduziu sem comprometimentos políticos. “Não é bom, neste momento, mas se tiver bom desempenho no ministério isso pode ficar tratado como não relevante, já que não é o primeiro juiz federal que opta carreira política e larga a magistratura”, diz.

Valorização

O advogado José Mello de Freitas, recebe a notícia como um reconhecimento ao Judiciário. “Antes de mais nada ele é um Juiz. Com todos os méritos pelo trabalho já feito. O importante é a intenção. Combater o estado lastimável em que nos encontramos por absoluta falta de credibilidade nas instituições”, acentua.

Comprometido

Para o advogado Júlio Pacheco, a confirmação do nome dele para o Ministério, com um acordo subjacente de assumir uma cadeira no STF nos próximos anos, revela o comprometimento dele não com a Justiça e o combate à corrupção, mas uma adesão a um grupo político que se beneficiou com a Lava Jato. “As denúncias quanto a absolvições de pessoas ligadas ao PSDB e partidos de oposição ao governo da ex-presidente Dilma mostram-se, no mínimo, como próximas de uma verdade. Sua ida ao governo é uma decisão questionável”, afirma.

 

 

Gostou? Compartilhe