Fatos 03.01.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os números

O prefeito Luciano Azevedo participou, por quase duas horas e meia, de um programa especial na Rádio Uirapuru, no último sábado. Respondeu a perguntas dos ouvintes e foi entrevistado pela colunista e o colega radialista Claudionor Ramos. Luciano apresentou muitos números de 2018. Os investimentos, já conhecidos da comunidade, contemplaram a cidade com crescimento acima da média dos municípios gaúchos. Passo Fundo ganhou na geração de empregos e se consolidou como cidade pólo regional no setor de serviços. Comércio e saúde ganham destaque.  Em outro contexto, alguns números revelam outra realidade: um deles refere-se ao problema habitacional. O secretário Paulo Caletti, desde que assumiu a função no ano passado, fez um trabalho de depuração no cadastro de pessoas inscritas para programas habitacionais e descobriu que, dos 12,5 mil cadastrados, 4 mil estariam aptos a participar. Uma redução de 7,5 mil no cadastro.

Saúde

As unidades de saúde do município ofertaram 200 mil consultar no ano passado.  No entanto, 30% das pessoas que marcaram estas consultas não compareceram no dia e hora determinados. Isso representa dizer, que 60 mil pessoas deixaram de ser atendidas ou inviabilizaram que outras pessoas fossem. A área da saúde foi um dos setores mais afetados pela crise, por conta do atraso no repasse pelo governo do Estado, que deve R$ 5,5 milhões ao município.

Sobre a posse

Positivo: Michele Bolsonaro roubou a cena. Foi o melhor momento da posse do presidente. Mais do que passar um recado de que a inclusão está entre as prioridades do governo, demonstrou personalidade e segurança. A atitude que protagonizou uma quebra de protocolo, fica para história.

Negativo: Tratamento dado à imprensa na posse do presidente foi inadequado, arrogante e antidemocrático. Só não entende isso, quem desconhece o papel que a imprensa livre tem num país democrático.

Marca: Se um objeto pode ser considerado marca de austeridade e economia, a caneta Bic ganha disparado. Foi usada pelo presidente para assinar o termo de posse e, ontem, foi usada por Sérgio Moro no ato de transmissão do cargo.

 

Quem segura?

O vice-presidente Hamilton Mourão não vai ser fácil. Criticou Bolsonaro que manteve ato do ex-presidente Temer, na nomeação de Carlos Marun para o Conselho da Itaipu Binacional. Salário de R$ 27 mil. “Nomeação de Marun foi prêmio, não foi ético”, disse Mourão ao defender que o ato seja revisto. Quem segura o Mourão?

Aprovado

Em sessão extraordinária, o plenário da Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei do Executivo que trata sobre a reestruturação administrativa do Estado. O projeto modifica a estrutura administrativa e diretrizes estaduais. A proposta cria e funde secretarias. Com isso, o governo passa a dispor de 21 secretarias estaduais. Como é o caso da Secretaria do Desenvolvimento Agrário que se une com a Secretaria da Agricultura e passa a ser denominada Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural.

Liberal

O discurso do novo ministro da Economia, Paulo Guedes durou 49 minutos. Economia liberal a partir de reformas, como a da Previdência. Pontapé para a nova era.

 

Gostou? Compartilhe