Fatos 06.07.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Projeto Guardião
A prefeitura de Passo Fundo vai lançar na primeira semana de agosto o edital para a compra de novas câmeras de monitoramento, dentro do Projeto Guardião. A informação foi dada pelo Executivo à Acisa, uma das entidades que bancou a campanha para que a cidade tenha ampliada a sua capacidade de vigilância pública. Só que o Executivo vai utilizar, neste primeiro momento, os R$ 500 mil que resultaram de emendas impositivas dos vereadores para o orçamento de 2017 e não os R$ 2 milhões, também de emendas impositivas para o orçamento deste ano. O Executivo alega que não tem recursos. o Projeto Guardião consiste em um sistema de videomonitoramento de alta tecnologia, que visa reforçar a segurança da cidade e garantir mais qualidade de vida à população. As 150 câmeras que deverão ser instaladas serão conectadas a Sala de Operações da Brigada Militar, inaugurada em 2016.

 

O projeto
Atualmente Passo Fundo conta com 30 câmeras de monitoramento, que foram instaladas em 2012 e já estão obsoletas. O projeto Guardião prevê a instalação de mais 150 novos equipamentos. As câmeras antigas migrarão para o novo sistema. O custo total do projeto é de R$ 2,5 milhões, justamente o valor já alocado como emendas impositivas nos orçamentos do município.

 

Frente
O vereador Márcio Patussi, PDT, vai solicitar uma reunião da Frente Parlamentar da Segurança Pública, para avaliar a decisão do Executivo em usar apenas as emendas do orçamento de 2017, que corresponde a apenas uma parcela do valor necessário para a implantação de todo o projeto. Para o parlamentar, emendas impositivas devem ser executadas pela Prefeitura, como determina a legislação.

 

Resultado
O diretor presidente da Codepas, Tadeu Karczeski, vem cumprindo metas difíceis à frente da empresa. Conseguiu, no ano passado, a duras penas, reduzir pela metade o prejuízo da Codepas com o transporte coletiva: de R$ 1,6 milhão, para R$ 800 mil. E desde que assumiu o comando da empresa já abriu mais de 400 sindicâncias internas para apurar condutas suspeitas. Muitos dos casos foram resolvidos.

Gostou? Compartilhe