Fatos 08.08.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Curiosidades

Levantamento feito pela Agência Brasil revela que as eleições deste ano terão o segundo maior número de candidatos, desde 1989. Serão 13 neste ano, enquanto em 1989 foram 22 concorrentes. Neste período, somente o PSDB e o PT disputaram todas as eleições presidenciais com candidatos próprios. Partido com maior número de filiados – 2,4 milhões -, o MDB não tinha candidatura própria há quatro eleições. O MDB transitou entre chapas do PSDB e do PT, as duas siglas que se revezaram no poder nos últimos anos. Fernando Henrique foi eleito em 1994 e em 1998, no primeiro turno com 54,3% e 53% dos votos, respectivamente. As eleições de 2002 marcaram o começo da hegemonia do PT: foram quatro vitórias seguidas, todas contra o PSDB.Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito e reeleito em 2002 e 2006. Depois, Dilma Rousseff conquistou o Palácio do Planalto em 2010 e foi reeleita em 2014, mas não completou o mandato.

“Meu nome é Enéas”

E para quem não lembra, o cardiologista Eneas Carneiro (morto em 2007), conhecido pelo discurso agressivo e o bordão “meu nome é Eneas”, surpreendeu o país conquistando cerca de 4,6 milhões de votos, com minguados segundos de televisão.

Representado

O Estado do Rio Grande do Sul tem cinco representantes na disputa presidencial e não quatro como a coluna publicou ontem. O General Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro, é gaúcho. Ontem já teve que explicar declaração polêmica, “de que o brasileiro tem a insolência do índio e a malandragem do negro”.

Estratégia

Manter a imagem de Lula colada a Fernando Haddad e Mauela D ´Ávila é a estratégia que PT e PCdoB usarão na campanha eleitoral. O ex-presidente, que não deve ter a candidatura homologada pela Justiça, por conta da condenação e cumprimento de pena, será onipresente na campanha. Uma ação de marketing que pretende transferir a Haddad o potencial eleitoral refletivo nas pesquisas. 

Gostou? Compartilhe