Fatos 09.10.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Encruzilhada
Segundo turno começando e a hora é de buscar apoios. O PDT nacional indica que vai liberar seus filiados, mas fará uma campanha mais contra Bolsonaro do que a favor do PT. Não quer cargo no próximo governo e garante que manterá independência. Indicativo trabalhista demonstra a encruzilhada do eleitor comum que não vota e Bolsonaro e muito menos em Haddad, por conta do PT. Essa situação faz crer na subida do termômetro dos votos brancos, nulos e abstenções. No primeiro turno já foi o maior da história, desde 2002, 20% ou 30 milhões de eleitores que deixaram de votar. 30 milhões de eleitores podem decidir tanto para um lado quanto para outro. Como conquistá-los será a grande questão!


Experiência
Ex-reitor da UPF José Carlos Carles de Souza, que fez pouco mais de 6 mil votos para deputado estadual, viveu a sua primeira experiência na política e já percebeu que o ambiente não é nada amistoso. Filiou-se ao PSD, à convite do vice-governador José Cairolli, mas não foi recebido como deveria em Passo Fundo. De forma equivocada, o partido lançou também Anthony Andreola e apoiou outros dois candidatos da região para a mesma vaga. Terreno minado para um recém chegado no partido. A exceção foi Tadeu Karczeski, que honrou o acolhimento ao novo companheiro. Serviu como experiência!


Fatores
O resultado da votação do ex-prefeito Airton Dipp, PDT, mais de 17 mil votos (14,4 mil só em Passo Fundo), tem uma composição de fatores, mas o que pesou foi o efeito Bolsonaro. A proximidade dele com o PT, afastou a classe média. Também deve-se levar em consideração que o ex-prefeito ficou cerca de seis anos longe de campanhas e desembarcou em outro momento da política. Foi uma campanha de redes sociais e menos de rua, a que ele está habituado.

 

Pouco voto
Passo Fundo encolheu o número de votos dados aos candidatos locais. Não surtiu efeito algum a campanha pelas candidaturas locais. O total chegou a 46 mil entre os candidatos a deputado federal e estadual. E nesta história de não valorizar prata da casa, tem aqueles casos que só tiram voto daqui para lugar algum. O deputado federal José Stédile apostou no apoio do vereador Valdecir de Moraes. PSB, e conseguiu a bagatela de 775 votos. Não se reelegeu.


Habilitado
Desempenho de Mateus Wesp, PSDB, teve ligação com a campanha de Bolsonaro. Wesp fez 19.799 em Passo Fundo do total de mais de 28 mil votos que o elegeram como segundo mais votado da bancada tucada. Se habilita ao cenário local em 2020.

Gostou? Compartilhe