Fatos 12.10.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Guerra comercial

Os reflexos da guerra comercial entre Estados Unidos e China são inevitáveis para o Brasil, que, em 2018, experimentou um crescimento de 35% nas exportações para China, na comparação com 2017. Os impactos do confronto atingem produtos como soja, minério de ferro e petróleo, uma vez que os chineses são os principais parceiros comerciais do país na exportação desses produtos. “Somos o segundo produtor mundial de soja, atrás apenas dos EUA. Esta guerra comercial pode, pontualmente, ser benéfica para nós, uma vez que a China suspendendo ou sobretaxando as importações do grão americano, inevitavelmente tenderá a comprar mais o grão brasileiro para suprir sua demanda interna”, analisa a diretora de Agronegócio da Acisa de Passo Fundo, Fabiana Venzon. Entretanto, adverte, se a economia chinesa continuar a desacelerar, sua demanda por petróleo e minério de ferro tende a diminuir, o que será prejudicial às exportações brasileiras e à balança comercial. “As consequências da guerra comercial podem afetar o mundo, uma vez que chegando ao ponto de desvalorização artificial da própria moeda, como fez a China, poderá levar a uma recessão mundial, fazendo com que os fundos de investimentos diminuam sua atuação por insegurança, especialmente nas economias emergentes como é o caso do Brasil. Com menos investimentos, teremos menos geração de empregos e menor consumo”, pondera.

 Gestão eficiente

De acordo com a empresária, não há como se preparar para as consequências da atual situação. “A soja é uma comodity, negociada na bolsa de Chicago e sua cotação é em dólar, ou seja, são fatores incontroláveis e imprevisíveis, sensíveis às mudanças de humor dos principais players do mercado”, explica, ao salientar a necessidade e uma gestão eficiente por parte dos produtores locais. “A única forma de nos protegermos minimamente como produtores  é através de uma gestão eficiente de custos e de fluxo de caixa, para que possamos aproveitar oportunidades pontuais de mercado que possam ocorrer”, aconselha.

Eleição na pauta

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, foi recebido na quinta-feira (10), no Palácio Piratini, pelo governador Eduardo Leite e pelo presidente do PSDB no Rio Grande do Sul, Mateus Wesp. Além do Congresso Nacional do partido, que ocorrerá em dezembro, em Brasília, a conversa foi pautada pela questão das Eleições 2020 no Brasil. Araújo reforçou a orientação e a determinação da Executiva nacional do PSDB para que, em cidades com mais de 100 mil habitantes, o partido tenha como prioridade a eleição majoritária.

Presidência

O PSDB gaúcho também almeja fortalecer o nome de Eduardo Leite como futuro candidato tucano à presidente da República. Terá de enfrentar o já candidato posicionado dentro do partido, governador de São Paulo, João Dória. Mesmo ainda distante do pleito de 2022, o PSDB no Estado já definiu como meta, dobrar o número de deputados federais - atualmente são dois.

Boa hora

Os prefeitos respiraram aliviados esta semana depois que a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que estabelece os critérios de repartição da cessão onerosa, – estimados em R$ 10,9 bilhões para os Municípios, resultado do excedente do pré-sal da bacia de Santos. A venda será em novembro e os municípios e estados deverão receber os recursos entre o fim de 2019 e 2010. O dinheiro vem em boa hora mas só pode ser usado pelos em três frentes: investimento, pagamento de dívida previdenciária ou criação de reserva financeira também para custos previdenciários. O projeto ainda depende de votação no Senado.

Encontro regional

O ministro Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, poderá estar em Passo Fundo no próximo dia 15. Ele é convidado a participar de evento regional do DEM com pré-candidatos a vereador. Outros membros da executiva estadual já confirmaram presença.

Emenda

O vereador Patric Cavalcanti, DEM, viabilizou junto ao deputado estadual Rodrigo Lorenzoni, uma emenda ao orçamento do Estado no valor de R$ 50 mil que será destinada à Brigada Militar de Passo Fundo.  

Convocaram e não foram

Vereadores que convocaram o Executivo e a Codepas a dar explicações sobre as dificuldades financeiras da empresa não comparecem à reunião. Cinco dos seis vereadores que assinaram um pedido de CPI da Codepas, que acabou arquivado por estar completamente fora dos padrões regimentais e constar dados inverídicos da empresa, Luiz Miguel Scheis e Márcio Patussi, PDT, Renato Tiecher, PSL, Rufa Soldá, PP, e Gleison Consalter, PSB, não participaram da reunião de sexta-feira à tarde para ouvir o jurídico Marrone Franco, o procurador geral do município, Adolfo Freitas e o secretário de Serviços Gerais Cristiam Thans. Os integrantes do Executivo foram convocados a dar explicações ao Legislativo e os autores da convocação, de vídeos na Internet e discursos inflamados na tribuna da Câmara não apareceram. Apenas Eloi Costa, MDB, que é da base e assinou a CPI, participou, ao lado de outros vereadores da bancada do governo.

 

Gostou? Compartilhe