Fatos 14 e 15.04.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Troca de partido

Um em cada seis congressistas mudou de partido nos últimos 30 dias. Levantamento foi divulgado na sexta-feira pelo Portal Congresso em Foco, ao revelar que ao menos 88 deputados e 4 senadores ingressaram em nova sigla para disputar as eleições. O maior perdedor deste processo foi o MDB, do presidente Michel Temer. Na outra ponta, o que mais recebeu novos filiados foi o DEM, de Rodrigo Maia. O MDB, segundo o Portal, registrou uma em cada cinco saídas partidárias. Obviamente que a dança das cadeiras tem a ver com o desespero pela reeleição e garantia de foro privilegiado.  O MDB perdeu 19 e o DEM ganhou 13 parlamentares. Muitos dos politicos que migraram de um partido para outro estão nas garras de operações como Lava Jato ou investigados em denúncias de corrupção.  Há também aqueles que querem garantir maior tempo de campanha na disputa das chapas majoritárias.  Com ingresso de oito parlamentares no PSL de Jair Bolsonaro, o pré-candidato à Presidência consegue garantir, pelo menos, participação nos debates eleitorais.

Aplicativo

Vereador Dalla Lana, PTB, está sugerindo que o município adote a Área Azul digital, como já ocorre em muitas cidades do país. O sistema funciona por meio de aplicativo, pelo qual o motorista paga o valor do estacionamento. Em São Paulo também existe outra possibilidade a da raspadinha. Boa sugestão para aperfeiçoar o rotativo. É cada vezz mais difícil conseguir vaga na área central e já está ficando complicado fora dela.

Reajuste

Os servidores da Câmara de Vereadores devem receber o mesmo reajuste salarial dado ao quadro do Executivo: 2,84%. O vereador Gabriel Toson, PSD, tentou que fosse maior, pelo menos 3,5%, abaixo ainda da reivindicação da categoria que queria 5%. Toson alega que como os orçamentos são diferentes e os Poderes independentes, a Câmara poderia ter dado um índice maior. Prevaleceu a regra histórica de dar o mesmo índice do quadro geral.

Eu estava lá

Em 1994, quando a Câmara de Vereadores aprovou em votação histórica o horário livre do comércio, esta jornalista estava lá. Cobriu, pelo jornal O Nacional uma das mais tensas sessões do Legislativo, depois de sucessivas discussões e reuniões não menos pesadas. O município foi um dos primeiros e poucos do Estado a estabelecer, em lei, a liberdade de horário para o comércio. Assunto que hoje, também, é polêmica em outras cidades, como Erechim, que não conseguiu aprovar o projeto.

 

 

 

Gostou? Compartilhe