Fatos 16 e 17.03.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Contas

Aos 64 anos, aposentado da Receita Federal, onde trabalhou por 42 anos, Dorlei Maffi vive outra experiência e de muitos desafios no serviço público. Acostumado a tratar somente de arrecadação, como secretário de Finanças do município agora o assunto é outro: as despesas. E com elas crescendo sem parar em anos de crise, o jeito foi fazer um ajuste fino. De 2017 para 2018, o município iniciou um controle maior das contas, resultando, no exercício orçamentário do ano passado, uma redução de 30% nos gastos. Compras, manutenção, contratos de todas as secretarias e departamentos passaram por um pente fino. Antes de comprar uma caneta, era preciso responder, entre outras questões, se realmente era necessário comprar. Somado a isso houve diminuição no número de cargos (CCs) e funções gratificadas, que garantiram também uma redução do comprometimento orçamentário do município com a folha para 50%, abaixo do limite que vinha sendo praticado e que já indicava problemas de responsabilidade. Para 2019, o mesmo rigor será seguido, porque a crise não passou, a instabilidade política ainda é latente e os municípios precisam seguir adiante cuidando de seus cidadãos. 

Só observe!

Observem três nomes no cenário nacional: Rodrigo Maia, DEM, Marcelo Freixo e Guilherme Boulos, PSOL. Os movimentos são em direção a um novo protagonismo político.

Agrada

Agrada aos chefes do Executivo a idéia de desvincular o orçamento. Os municípios têm investido mais do que o recomendado constitucionalmente em áreas como saúde e educação, por conta da falta de repasses dos entes federados superiores. Comprometem a receita e ficam sem margem para investimento. No entanto, é preciso considerar que sem limites legais, áreas essenciais podem receber menos do que deveriam.

Resultados

Foi uma bela feira, com resultados positivos, mas não superaram as expectativas dos organizadores. A expectativa era chegar a R$ 2,7 bilhões em negócios e o valor ficou abaixo: R$ 2,4 bilhões, 200 milhões a mais do que no ano passado. O público foi recorde para um único dia na quarta-feira, foi muito bom na quinta, mas não sexta foi o suficiente para passar três mil a mais do registrado em 2018. Ficou em 268 mil visitantes. Em meio a um cenário ainda dividido e de incertezas, com o cinto apertado de parte do governo, alguns agricultores decidiram não arriscar neste momento, embora outros, com dinheiro na mão viram oportunidade para fazer bons negócios.

Negativo

Dois índices negativos chama a atenção. No Pavilhão Internacional, acostumado a bons negócios, neste ano,o resultado ficou 12% abaixo do valor negociado em 2018. O segmento fehcou R$ R$ 290,7 milhões em novos negócios. Também a Agricultura Familiar, um dos setores mais visitados da feira registrou queda nas vendas na ordem de 3%, fechando um volume de  R$ 1,05 milhão. 

Case

Um único agricultor, de Vacaria comprou R$ 18 milhões em máquinas. Foram 7 colheitadeiras, 5 pulverizadores, 3 tratores e 8 plataformas. Os negócios se deram na Meta Agrícola, Concessionária CASE IN para Passo Fundo e região, que acabou ficando com o recorde de vendas da 20ª Expodireto Cotrijal.

Primeiro projeto

O primeiro projeto pode dizer muito sobre um político. O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, apresentou na quarta-feira, 13, o seu primeiro projeto, que propõe flexibilizar as regras para instalação de fábricas no Brasil destinadas à produção de armas de fogo e de munições. Em vigor desde julho de 1934, a atual legislação proíbe, já em seu primeiro artigo, a instalação desse tipo de indústria. Para ele, as alterações propostas em seu texto, "além de corrigirem as distorções existentes, devem ampliar e contribuir para o impulso à indústria de defesa nacional, elevando os patamares de competitividade, pesquisa, produção, desenvolvimento de tecnologia e excelência, aumentando a capacidade produtiva e tornando o Brasil mais competitivo junto ao mercado externo".

Matagal

Em frente ao Serviço de Atendimento Especializado da secretaria da saúde e na esquina da Vigilância Sanitária, na rua Silva Jardim, existe um matagal, propício a proliferação de mosquitos causadores de doenças como dengue. Leitor da coluna envia a foto e questiona o seguinte: “Agora tu imagina se a Vigilância Sanitária tem que combater os mosquitos, e deixa uma situação dessas a 50 metros de onde está instalada... É triste”.

Gostou? Compartilhe