Fatos 16.05.2018

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Penas ao vento

Meu falecido pai João tinha mania de dizer quando uma coisa não estava bem clara que, “até explicar que focinho de porco não é tomada...o estrago já estava feito”. Casualmente ontem, enquanto a Polícia Federal fazia diligências dentro da Operação Efeito Colateral em residências de médicos e escritórios de contabilidade, além do HSVP, em Passo Fundo, eu tinha acabado de ler uma matéria com o seguinte título: “A Lei é para todos. Só que não”. A matéria do portal The Intercept Brasil conta que jornalistas da VEJA e Folha concluíram, após a leitura das 817 páginas, que compõem o relatório final da Polícia Federal, sobre desvios de verbas na Universidade Federal de Santa Catarina, que não havia nenhum indício e muito menos provas contra o então reitor Luiz Carlos Cancellier. Com a autorização do Ministério Público Federal e da Justiça Federal, o reitor foi preso acusado de obstrução da investigação e de desviar R$ 80 milhões, o que não foi provado. Condenado pela opinião pública e sem ter o direito de entrar na Universidade, Cancellier tirou a própria vida. Uma tragédia imensurável.

Processo legal

O caso envolvendo a Operação Efeito Colateral desencadeada pela Polícia Federal merece todo o cuidado do mundo, antes de fazer qualquer juízo de valores. Primeiro, porque a própria PF está comedida em relação a divulgação das investigações e ela cumpre o papel de investigar. Segundo, é uma investigação que pode concluir que as denuncias não procedem, como aconteceu com o caso da UFSC. Terceiro, precisamos acreditar no devido processo legal e fazer com que ele prevaleça, antes de emitir opiniões descabidas e fazer juízo de valores sem conhecimento de causa.

Mistérios e interesses

Valho-me agora de William Shakespeare: “Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia”. 

Reajuste I

Mobilização dos servidores da Câmara obteve sucesso no reajuste salarial. Mesmo contrariando a decisão da Mesa, houve uma composição e os servidores receberão reajuste de R$ 3,5%, maior do que o praticado pelo Executivo. Também os vereadores terão os subsídios reajustados em 2,84%, depois de dois anos de congelamento. Vereadores Mateus Wesp, PSDB, e Márcio Patussi, PDT, abriram mão do reajuste. Foi a primeira vez em muitos anos, que a Câmara deu um reajuste diferenciado do executivo. Quem vai responder por qualquer apontamento que venha a ser feito pelo Tribunal de Contas do Estado é o presidente do Legislativo, Pedro Danelli, PPS.

Reajuste II

O entendimento é simples: o dinheiro sai de um único caixa e a Fazenda Pública está impedida de dar aumento maior que apenas a reposição. O reajuste concedido para os servidores da Câmara pode ser ser interpretado como aumento real e, talvez, haja apontamento. Danelli, um vereador experiente, sabe que isso pode acontecer e avisou a todos. No entanto, como pimenta nos olhos dos outros não arde, o bom mesmo é fazer o tipo bonzinho, para estourar depois no outro. 

Gostou? Compartilhe