Fatos 19.04.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Especulações 2020
O acesso ao fundo partidário, apoios de lideranças importantes e candidaturas que se apresentarem com um projeto inovador terão maiores chances na corrida pela Prefeitura de Passo Fundo em 2020. Dos prováveis nomes da disputa, alguns têm potencial mais elevado para articular recursos do fundo partidário. Rodinei Candeia, PP, candidato a deputado federal em 2018 e apoiador do Senador Heinze, tem acesso direto a executiva nacional do Progressista. O vice-prefeito João Pedro Nunes, MDB, trabalha discreto nas costuras e possui forte presença no Estado. Além de ter Osmar Terra ministro do governo Bolsonaro e com grande trânsito no partido. Certamente isso poderá viabilizar recursos do fundo partidário. O vereador Patric Cavalcanti, DEM, já tem como tarefa determinada por Onyx Lorenzoni, viabilizar candidatura a prefeito. Ou será ele ou quem ele indicar. A proximidade com Onyx pode ajudá-lo nessa caminhada.

 

Força política
Fato é que as articulações ganham força se passarem por duas lideranças políticas de Passo Fundo: prefeito Luciano Azevedo, PSB, e deputado estadual Mateus Wesp, PSDB. Ambos já sentaram para conversar e alinhar alguns entendimentos, conforme a coluna publicou. Se houver apoio dos dois ao candidato escolhido, vai ter força na disputa. Isso passa por um acordo que envolve a eleição de 2022. Estaria nascendo a dobradinha reeleição de Wesp para estadual e Luciano para federal?

 

Movimento
O vereador Márcio Patussi, pré-candidato a prefeitura pelo PDT, se movimenta para que seu grupo político tenha predominância no partido, nas eleições de maio. Objetivo é garantir força internamente e assim construir uma aliança programática e pragmática para disputar o paço municipal com chances reais de vitória.


Ele vai voltar?
Há quase três décadas que um nome é sempre cogitado na lista de prováveis candidatos a Prefeitura de Passo Fundo: Osvaldo Gomes. Não seria diferente às vésperas do ano eleitoral como este. Depois de amargar uma derrota estrondosa na eleição para prefeito em 2016, Gomes se recolheu de forma estratégica. Mas não ser visto, não significa que desistiu ou que não possa retornar à vida pública política. E aí, como parte da cena, vem a pergunta: será que Osvaldo Gomes vai concorrer a prefeito? Há opiniões diversas. Quem aposte que ele abandonou a política e quem desconfie que essa discrição aparente faz parte da estratégia para voltar. Abertas as apostas.

 

Reforma Tributária
A primeira audiência pública sobre a Reforma da Tributária será em solo gaúcho e, em Passo Fundo. A audiência da Frente Parlamentar será na Faculdade de Direito da UPF, dia 20 de maio, pela parte da manhã. Participarão deputados, senadores, setor produtivo, sindicatos e alunos. Os trabalhos serão coordenados pelo presidente da Frente, Luís Miranda (DEM-DF) e o deputado Ronaldo Santini (PTB-RS). A sugestão de fazer aqui a audiência foi levada pelo diretor da FD Edmar Daudt e o professor Márcio Patussi, vereador pelo PDT.

 

Conhecimento
Grupo de vereadores que se mobiliza para votar contra a atualização da base de cálculo do IPTU não tem argumentos razoáveis para sustentar a decisão. A atualização da base de cálculo é apontada como necessária pelo Tribunal de Contas e Ministério Público. Se não for feita representa renuncia de receita que implica em crime de responsabilidade. A audiência pública foi feita para que os vereadores tirassem suas dúvidas. Mas não foi o que aconteceu!

 

Intolerável
“Censura judicial é intolerável, ilegítima e autocrática”, diz Celso de Mello. Decano do STF divulgou mensagem em defesa da liberdade de expressão e imprensa. Ele foi o segundo ministro a se manifestar sobre a censura ao site Antagonista e a revista eletrônica Crusoé sobre acusações contra o presidente do STF Dias Toffoli. O primeiro a se manifestar, também condenando a censura, foi o ministro Marco Aurélio de Mello.

Gostou? Compartilhe