Fatos 19.07.2019

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Preconceito e retrocesso

O Brasil permanece entalado na maior crise econômica da sua história, gerada única e exclusivamente pela instabilidade política, e o presidente Jair Bolsonaro preocupado com pautas morais e com indicação do filho para a embaixada dos Estados Unidos. Dois movimentos do presidente esta semana demonstram o grau elevado de preconceito absurdo contra a comunidade LGBTi. O primeiro veio pelo Twitter, quando ele anunciou que o vestibular para pessoas trans anunciado pela Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) será suspenso. A instituição lançou edital de vestibular voltado para pessoas transgêneras e intersexuais. Seria o primeiro processo seletivo na graduação específico para transexuais. Outras universidades já haviam estabelecido cotas para esse público, mas dentro de seus processos seletivos habituais. As 120 vagas seriam para o campi do Ceará e da Bahia. As vagas seriam destinadas para 19 cursos de graduação em várias áreas. Ontem, o presidente deixou a entender que vai acabar com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), segundo fontes da colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo. O motivo: a insatisfação do Bolsonaro a relatos de projetos aprovados pela Ancine, como um realityBorn to Fashion, cuja premissa é revelar modelos trans. Um tremendo e desnecessário retrocesso.

Pressão

A pressão do segmento da construção civil foi determinante para que o governo adiasse para a próxima semana o anúncio do pacote de medidas para aquecer a economia. É que uma das medidas é a utilização do FGTS pelos trabalhadores. O governo criou uma expectativa que não vai poder cumprir. Mexer neste dinheiro, fomento da construção civil, seria um desastre, segundo alguns analistas. De outra parte, tem uma economia estagnada e precisa de medidas para mudar o quadro. Sinuca de bico, que o ‘Posto Ipiranga’ não ta sabendo resolver. E dá-le pauta moral para desviar o foco.

Bom pra quem?

Cadastro positivo que passou a ser obrigatório, desde a semana passada, não vai beneficiar o consumidor. Quem afirma é o coordenador do Balcão do Consumidor de Passo Fundo, professor Liton Pilau. Segundo ele, o cadastro positivo existe desde 2011 e chegou com a intenção de baixar os juros, o que não ocorreu. A inclusão dos consumidores no cadastro agora  é obrigatória. Para deixar de constar nele, é o consumidor que deve pedir a retirada. E para obter informações sobre o próprio cadastro, também é o consumidor que deve solicitar e pagar pelas informações. O que é considerado por Liton um abuso, já que na relação de consumo a parte mais vulnerável é o consumidor.

Violação

O coordenador do Balcão também critica o método do score, pelo qual o consumidor ganha pontos de acordo com o volume de consumo e a forma como ele paga. No entanto, se alguém, mesmo sendo um bom pagador, mas não é um consumidor habitual, acaba prejudicado por um score baixo e pode ter crédito negado por isso. Pilau também critica o cadastro positivo pela violação de dados do consumidor.

Visita

Vereador Márcio Patussi, pré-candidato a prefeito de Passo Fundo pelo PDT, fez ontem uma visita cortesia a Lucas Cidade, chefe de gabinete do deputado Mateus Wesp. O tema da eleição 2020 fez parte da conversa.

Assessor

O deputado Wesp recebe reforço na equipe em Porto Alegre. O novo assessor de imprensa, jornalista Cleber Bertoncello assumiu a função esta semana. Cleber é formado pela FAC/UPF, passou por veículos locais, também esteve na Capital do Estado. Circulou por Florianópolis e assessorou outros parlamentares na AL. Deixou a Agência Critério para se dedicar a nova função.

Gostou? Compartilhe